domingo, 31 de julho de 2011

Bispo do México sob investigação do Vaticano por apoiar organização gayzista

Matthew Cullinan Hoffman

SALTILLO, México, 29 de julho de 2011 (Notícias Pró-Família) — Raul Vera, bispo católico de Saltillo, México, está sob investigação do Vaticano por ter patrocinado uma organização que faz vista grossa à sodomia, de acordo com fontes da imprensa mexicana.

Os jornais da região de Saltillo estão noticiando que Vera recebeu um pedido de informações vindo de autoridades não identificadas do Vaticano com relação à Comunidade Gay e Lésbica de San Aelredo.

A organização San Aelredo, que professa ser católica, ensina os membros que eles podem se envolver com relações homossexuais, mas os incentiva a fazer isso com um único parceiro. O grupo também realiza festivais cinematográficos exibindo produções que aprovam a conduta homossexual.

O bispo Vera publicamente associou sua diocese a esse grupo e tem promovido suas atividades, inclusive o patrocínio de seus festivais cinematográficos, de acordo com reportagens nos meios de comunicação do México. A organização está também envolvida em muitas paróquias diocesanas.

A primeira vez que LifeSiteNews (LSN) fez uma reportagem sobre as atividades da organização San Aelredo foi em 2008, depois de uma investigação que incluía entrevistas com o líder da organização, Noe Ruiz, bem como com o padre diocesano Robert Coogan, que atua como um “guia espiritual” para o grupo. Tanto Ruiz quanto Coogan confessaram para LSN naquele tempo que a organização aprova a conduta homossexual.

LSN publicou informações de contato para a Congregação para a Doutrina da Fé do Vaticano, bem como da Congregação para os Bispos e a Congregação para o Clero em seu artigo de 2008. Contudo, autoridades do Vaticano não agiram até que uma nova série de artigos começou a ser publicada pela agência noticiosa católica espanhola ACI Prensa.
Confirmando para o jornal Zocalo, de Saltillo, que ele recebeu uma “chamada telefônica do Vaticano” e que “tenho de esclarecer coisas”, Vera acrescentou: “Tenho de responder a uma série de perguntas da Cidade do Vaticano que estão perguntando com relação ao meu trabalho com homossexuais, mas é devido a essa agência católica de informações que vem dizendo barbaridades”.
Vera se queixa de que a agência havia feito acusações “sem base” de “que promovo relações homossexuais”.
“E eu, em minha vida, nunca trabalhei para isso. Na diocese de Saltillo temos objetivos muito claros. Trabalhamos com eles [a comunidade homossexual] para ajudá-los a recuperar sua dignidade humana, que está ferida para muitos deles desde seus lares, na sociedade, e eles são tratados como uma calamidade”.
Contudo, depois do pedido de informações do Vaticano, o bispo Vera anunciou para a imprensa que está “reestruturando” o grupo, e removeu Ruiz de sua posição como coordenador do grupo.

Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Fonte: http://noticiasprofamilia.blogspot.com

PLC 122/2006 agora é Lei Alexandre Ivo

Como prometida pela senadora Marta Suplicy o nome do PLC 122/2006 agora é Lei Alexandre Ivo, tem esse nome em homenagem a esse jovem que foi vitima de violência, fiquem atento, pois o conteúdo é o mesmo, só mudou o rotulo, devemos combater a Lei Alexandre Ivo, caso seja aprovada, nossa luta ira por aguá abaixo, como já disse antes, pode mudar do jeito que for, Deus não ira permitir que esse projeto passe, estamos em uma democracia, e na Democracia a maioria vence, agora estão tentando inverter os papais, onde a minoria quer mandar na maioria, ai não, vamos gritar, soltar nossa voz, ABAIXO A LEI ALEXANDRE IVO (PLC 122/2006), não importa, pode mudar até o numero mas continuo dizendo não a esse projeto que agora é chamado de Lei Alexandre Ivo.

sábado, 30 de julho de 2011

Homocracia totalitária

29 de julho de 2011
Eguinaldo Hélio de Souza

Um conhecido site de compartilhamento na internet possui cerca de 34 milhões de arquivos. São textos, vídeos, áudios, imagens, programas de todas as naturezas. Dificilmente um tema não será encontrado ao ser digitado em seu sistema de buscas. Entretanto, se você inserir a palavra “homossexualismo” nada encontrará dentro de seus inúmeros arquivos. Se, pelo contrário, inserir “homofobia”, uma enxurrada de informações estará a seus dispor.

A questão é porque uma palavra há pouco tão comum em nossa cultura desapareceu tão completamente e um vocábulo recém criado tomou o seu lugar? Quem é responsável por essa mudança? Que intenções existem por trás desse procedimento? Quais as implicações de tal fato? Essa mudança vocabular tem conseqüências maiores?

Na verdade, tais fatos são sintomáticos. Estão indicando uma mudança cultural significativa. Não necessariamente uma mudança natural do pensamento da sociedade e sim uma alteração imposta. A questão semântica envolvida está fundamentada em decisões e atitudes ditatoriais que não abre espaço para o debate e não permite discordâncias.

Os leitores do livro “1984” de George Orwell com certeza estarão bem familiarizados como essa manipulação da linguagem. Eles sabem que não se trata de mudar vocábulos, mas de manipular pensamentos e distorcer conceitos. A ditadura fictícia criada por Orwell era baseada em fatos históricos. Qualquer semelhança não era mera coincidência.

Ao dar às palavras um sentido diverso do que elas tinham, a mente era forçada a se contradizer. Era a novilíngua servindo de instrumento de dominação. A supressão de certas palavras tinha a finalidade de suprimir idéias ligadas à elas. A criação de novas palavras inseria as idéias que os dominadores queriam inculcar na mente de ouvintes e leitores, mesmo sem seu consentimento.

No romance de orwelliano, o Miniamor, ou Ministério do Amor, torturava os discordantes. O Minipaz, ou Ministério da Paz, criava e fomentava a guerra. E o Minifartura, ou Ministério da Fartura, controlava a distribuição de alimentos criando artificialmente a carência e a fome. É fácil entender o quanto essa distorção realidade-palavra era importante para o domínio e controle. O trecho abaixo mostra o protagonista ouvindo a explicação a respeito da manipulação das palavras. Foi reduzido por questão de espaço, mas é suficiente para nos fazer entender a seriedade do assunto:

- Estamos dando à língua a sua forma final - a forma que terá quando ninguém mais falar outra coisa. Quando tivermos terminado, gente como tu terá que aprendê-la de novo. Tenho a impressão de que imaginas que o nosso trabalho consiste principalmente em inventar novas palavras. Nada disso! Estamos é destruindo palavras - às dezenas, às centenas, todos os dias. Estamos reduzindo a língua à expressão mais simples. (...)

- É lindo, destruir palavras. Naturalmente, o maior desperdício é nos verbos e adjetivos, mas há centenas de substantivos que podem perfeitamente ser eliminados. Não apenas os sinônimos; os antônimos também. Afinal de contas, que justificação existe para a existência de uma palavra que é apenas o contrário de outra? (...)

- Não vês que todo o objetivo da Novilíngua é estreitar a gama do pensamento? No fim, tornaremos a crimidéia [idéia contrária aos desejos da ditatura] literalmente impossível, porque não haverá palavras para expressá-la. Todos os conceitos necessários serão expressos exatamente por uma palavra, de sentido rigidamente definido, e cada significado subsidiário eliminado, esquecido. (...) Cada ano, menos e menos palavras, e a gama da consciência sempre um pouco menor. Naturalmente, mesmo em nosso tempo, não há motivo nem desculpa para cometer uma crimidéia. É apenas uma questão de disciplina, controle da realidade. Mas no futuro não será preciso nem isso. A Revolução se completará quando a língua for perfeita. (...) Mudarão as palavras de ordem. Como será possível dizer "liberdade é escravidão” se for abolido o conceito de liberdade? Todo o mecanismo do pensamento será diferente. Com efeito, não haverá pensamento, como hoje o entendemos. Ortodoxia quer dizer não pensar... não precisar pensar. Ortodoxia é inconsciência.

É fácil perceber o perigo por trás das mudanças. Mudam-se as palavras para que as consciências sejam mudadas. Para um exemplo prático e histórico desse tipo de manipulação ideológica basta lembrar que “limpeza étnica” era o termo técnico usado pelo nazismo ao queimar, asfixiar e matar por tortura milhões de judeus. Por trás do eufemismo se escondiam ações diabólicas. As ditaduras não sobrevivem sem manipular o sentido das palavras.

Homossexualismo X Homofobia

A palavra homossexualismo foi exorcizada por uma ditadura gay incipiente que alegou ser o sufixo “ismo” um indicador de doenças. Usá-la significaria atribuir uma enfermidade ao praticante. Entretanto, esse é um preconceito contra o sufixo. Ele tem inúmeros significados que nada têm haver com doença. Podemos citar:

* Doutrinas ou sistemas: realismo, positivismo, fascismo, budismo;
* Modo de proceder ou pensar: heroísmo, servilismo;
* Forma peculiar da língua: galicismo, neologismo;
* Na terminologia científica: daltonismo, reumatismo.

De acordo com o dicionário, ismo, é um sufixo de origem grega e indica origem, crença, escola, sistema, conformação. Ou seja, palavras com essa terminação indicam que uma ideologia é seguida, que existe algo consolidado como regra ou, pelo menos, que se acredita ser uma regra. Assim temos o positivismo, catolicismo, presidencialismo, helenismo, jornalismo, etc. Meu jornalismo opinativo não é uma doença com toda certeza.

Mas que dizer da palavra homofobia?

Homofobia sim traduz a idéia de doença. Não é simplesmente um medo, mas um medo irracional e mórbido. Quando aplicado a qualquer pessoa que discorde da prática sexual entre pessoas do mesmo sexo, torna esse um doente. E mais. Além desse sentido de doença, foi acrescentado a ele o sentido de ódio e de um modo tão vil que para ser homofóbico, basta discordar. Então o indivíduo automaticamente se torna um doente e criminoso que odeia os praticantes da homossexualidade. Em um simples jogo de palavras, tudo vira de ponta cabeça.

Homossexualidade X Homoafetividade

Uma das maiores demonstrações de manipulação mental e social através da mudança de vocabulário está presente na substituição da palavra homossexualidade por homoafetividade. Foi feito como se ambas fossem sinônimos, quando na verdade são conceitos bem diferentes.

Homossexualidade (grego homos = igual + latim sexus= sexo) refere-se ao atributo, característica ou qualidade de um ser — humano ou não — que sente atração física, emocional e estética por outro ser do mesmo sexo. Como uma orientação sexual, a homossexualidade se refere a "um padrão duradouro de experiências sexuais, afetivas e românticas principalmente entre pessoas do mesmo sexo";

Homoafetividade por seu turno se refere pura e simplesmente à manifestação de afeto, ou seja, carinho e amor, por uma pessoa do mesmo sexo.

Ora, a homoafetividade ocorre entre pai e filho, entre mãe e filha, entre irmãos, parentes ou mesmo amigos do mesmo sexo sem que esteja presente qualquer prática sexual. Seria absurdo pensar tal coisa. Afeto eu tive por meu pai e o tenho naturalmente por meu filho. Todavia, praticar sexo com eles seria horrendamente impensável. Transformar em sinônimos essas duas palavras é um crime contra a consciência e contra a verdade.

Afeto é bonito e terno, expressa o sentimento de amor que Deus deu ao homem. Igualá-lo a uma prática condenada ao longo da história por meio de uma troca de palavras é um abuso que já devia há muito ter sido denunciado.

Esse jogo de palavras causa muita confusão. Há casos de jovens que se consideram homossexuais, sem nunca ter tido qualquer relação sexual com pessoa do mesmo sexo. Consideram que o fato de terem grande amizade e apreço por alguém do mesmo sexo já os classifica desse modo. A verdade é que nada é ao acaso. Tudo é friamente calculado. A intenção é confundir.

Homocracia X Democracia

Somos uma democracia, ao menos oficialmente. Em uma definição simplista, governo do povo, pelo povo, para o povo. Como o consenso é impossível, vence a maioria. A vitória de uma minoria agride o sentido da palavra “democrático”.

A maioria do povo brasileiro aprovaria a PLC 122/06? Aprovaria o “kit-gay” nas escolas? Se fosse lhe dado chance, aprovaria a decisão recente do STF de união estável para os homossexuais? Aceitariam a mordaça que da lei de homofobia que criminaliza qualquer pessoa que discorde deles por questões religiosas e de consciência? É óbvio que não. Bastaria um plebiscito para oficializar o que já dizem as enquetes. Se fosse dada uma chance verdadeira do povo se manifestar, com certeza as verbas estatais milionárias e absurdas que as paradas gays e outras atividades do gênero seriam cortadas imediatamente.

Contudo, inúmeras decisões sérias têm sido tomadas em nome de uma minoria contra uma maioria. Uma aristocracia homossexual tem assumido decisões, utilizado verbas públicas, criminalizando pessoas descentes para justificar suas escolhas abomináveis.
Sob a desculpa de um governo laico qualquer padrão moral é taxado de fanatismo religioso. Sim, a população brasileira é cristã, de alguma forma, em sua maioria. E porventura seu cristianismo invalida sua opinião? Pagar imposto pode. Exprimir sua opinião, não pode. Desde quando o laicismo estatal desconsidera um povo por suas crenças? Como já disse alguém, leis ruins são o pior tipo de tirania. Não é esse o nosso caso? A verdade é que os ativistas gays não querem apenas direitos. Eles querem poder.

Erótico versus espiritual

Termino com um texto de A.W. Tozer, um profeta, que como todos os profetas soube captar a essência de seu tempo e expô-lo à luz de Deus. O que ele escreveu há cinqüenta anos mostra sua percepção do verdadeiro conflito que enfrentamos:
O período em que vivemos bem pode passar à história como a Era Erótica. O amor sexual foi elevado à posição de culto. Eros tem mais cultuadores entre os homens civilizados de hoje do que qualquer outro deus. Para milhões o erótico suplantou completamente o espiritual. (...)

Pois bem, se esse deus nos deixasse a nós, cristãos, em paz, eu por mim deixaria em paz o seu culto. Toda a sua esponjosa e fétida sujeira afundará um dia sob o seu próprio peso e será excelente combustível para as chamas do inferno, justa recompensa recebida, e que nos enche de compaixão por aqueles que são arras­tados em sua ruinosa voragem. Lágrimas e silêncio talvez fossem melhores do que palavras, se as coisas fossem ligeiramente diversas do que são. Mas o culto de Eros está afetando gravemente a igreja. A religião pura de Cristo que flui como rio cristalino do coração de Deus está sendo poluída pelas águas impuras que escorrem de trás dos altares da abominação que aparecem sobre todo monte alto e sob toda árvore verde. A.W. Tozer, Erótico versus Espiritual.

Resista verbalmente

Se vamos resistir, resistiremos a partir da linguagem. Os cristãos jamais devem utilizar a palavra “homoafetivo” ou “homoafetividade”. Chame pelo nome verdadeiro – homoerótico ou homossexual. Quando o acusarem ou acusarem alguém de homofóbico, pergunte o que significa isso. Medo de homossexuais? Ódio a homossexuais? Absolutamente não temos. Apenas reprovamos o que a Bíblia reprova.

A mídia já está popularizando a expressão “casal heterossexual”. Essa expressão faz tanto sentido quanto água molhada e fogo quente. Qualquer criança sabe e qualquer dicionário confirma que um casal é macho e fêmea. Desde sempre, em qualquer cultura, em qualquer escrito, religiosos ou não, um casal foi macho e fêmea. Agora porque alguns querem realizar suas práticas sexuais sem serem criticados, subvertem milênios da história humana, não poupando a própria linguagem. Não importa o que duas pessoas do mesmo sexo façam, não importa o que digam, não importa nem mesmo o que outros dirão sobre isso. Eles jamais serão um casal.

Publicado originalmente na Revista Apologética Cristã nº 11.
Fonte: http://www.juliosevero.blogspot.com

Mais elevado tribunal da Colômbia ordena que Congresso reconheça uniões homossexuais

Matthew Cullinan Hoffman

27 de julho de 2011 (Notícias Pró-Família) —

O Tribunal Constitucional da Colômbia anunciou uma decisão que declara que as duplas homossexuais constituem uma “família”, faltando muito pouco para lhes dar um direito de “se casarem” um com o outro.

Numa decisão anunciada ontem de noite, o Tribunal decretou que a questão de “matrimonio” entre duas pessoas do mesmo sexo é uma questão para o Congresso Nacional decidir, e deu aos legisladores dois anos para começarem a tratar do assunto.
De acordo com a decisão, o Congresso deve legislar “de uma forma integral, sistemática e ordenada com relação aos direitos das duplas de mesmo sexo com o propósito de eliminar a falta de proteção” que existe para suas uniões.

Os juristas decretaram que se o Congresso não aprovar uma lei sobre o assunto dentro desse período, “no dia seguinte, as duplas de mesmo sexo terão permissão de ir a um cartório e legalizar sua união”.

De acordo com a decisão, o Congresso será obrigado a aprovar uma lei que reconheça os direitos de “família” para os homossexuais que vivem juntos.

Embora a Constituição declare expressamente que o casamento é a união de um homem e uma mulher, o presidente do Tribunal negou a relevância dessa cláusula na Constituição, afirmando que “não significa que as duplas de mesmo sexo estão excluídas de fazer o mesmo”.

O Código Civil colombiano, que também define o casamento como “um contrato por meio do qual um homem e uma mulher se unem com o propósito de viver juntos, procriar e ajudar um ao outro”, também não conseguiu levar os juízes à conclusão de que o casamento se restringe aos casais de sexo oposto.

Conforme foi noticiado, o Tribunal prosseguirá em seguida para a possibilidade de permitir que os homossexuais adotem crianças.

Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Fonte: http://noticiasprofamilia.blogspot.com

Resposta da Globo a minha mensagem

Rinaldo

Agradecemos sua audiência e respeitamos a sua opinião.



Seu comentário diz respeito a uma obra de ficção - amparada na liberdade de expressão criativa - que não pretende fazer juízo de valor do mundo, mas provocar reflexão sem tomada partido.

No que se refere à realidade, a Rede Globo é reconhecida por sua atuação contra a intolerância religiosa. A emissora tem uma ação positiva e permanente contra a discriminação. Qualquer tipo de preconceito é contrário aos seus princípios.

Em nossa programação, temos tratado o tema de forma regular e através de distintas abordagens. Somos uma emissora comprometida com o Brasil, com sua cultura e com seus talentos. Entender e atender seus telespectadores de todas as religiões, idades, sexos e classes sociais, fazendo uma televisão de qualidade para a família brasileira é nosso papel.


Cordialmente,
Rede Globo

Minha mensagem a globo

================== MENSAGEM ORIGINAL ===================
De: RINALDO MOREIRA DA NÓBREGA
Quinta-feira, 28 de Julho de 2011
Assunto: REDE GLOBO - CRÍTICA - 28/07/2011

Caros amigos da Rede Globo não é cero promover a homossexualidade e da mesma forma criticar a religião evangelica, em capitulo exibido dia 18 de julho um personagem homossexual destrata os evangelicos, pedimos um pouco mais de respeito e cuidado com os conteudos, pois estão fazendo campanha para uma aprovação de uma lei que discrimina toda a sociedade e dar valor para os homossexuais. pense nisso.

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Cientista diz que num futuro próximo dois casais homossexuais podem ter filho

pr.rafael nascimento

[Fato] Filho biológico de casal homossexual
Pasmem!
Deus não vai aceitar isso! É O FIM!

Cientistas dos EUA geram rato a partir de dois machos
09 de dezembro de 2010 • 18h18 • atualizado às 18h25

Pesquisadores americanos usaram células-tronco para gerar um rato a partir de dois machos, em uma operação que poderá preservar espécies ameaçadas de extinção, além de ajudar casais homossexuais a ter seus próprios filhos.

Segundo o estudo publicado nesta quarta-feira, na revista Biology of Reproduction, cientistas do Texas especializados em reprodução manipularam células-tronco provenientes de um feto macho (XY) de rato para produzir células-tronco pluripotentes induzidas (CPi).

Algumas células-tronco que foram obtidas desta forma perderam naturalmente seu cromossomo Y para se tornar uma célula-tronco do tipo XO. Estes ratos cresceram e puderam cruzar com ratos machos normais, gerando um animal com material genético de ambos.

O estudo foi conduzido por Richard R. Behringer, do Centro Anderson de Câncer. Os pesquisadores declararam que com uma variação desta técnica "também será possível gerar esperma a partir de uma doadora e produzir machos viáveis e fêmeas através de duas mães", apesar do caminho para se aplicar isto a humanos ser longo.


Fonte:
http://noticias.terra.com.br/ciencia/noticias/0,,OI4836353-EI8147,00-Cientistas+dos+EUA+geram+rato+a+partir+de+dois+machos.html

Pastor Silas Malafaia responde a homossexuais e “agradece” em seu programa por processo contra ele. Assista

Como prometeu pelo Twitter, o pastor líder da igreja Assembleia de Deus, Silas Malafaia, usou o espaço que compra na Bandeirantes para exibir seu programa e agradeceu aos ativistas gays. Mas é claro que se trata de uma ironia, pois no caso Malafaia agradece o pedido da militância para cassar o registro dele como psicólogo no Conselho Federal de Psicologia (CFP), que está analisando a defesa do religioso.

Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
No programa do último sábado, 23, que foi reprisado na manhã desta terça-feira, 26, o pastor diz que os ativistas LGBT provam que são intolerantes ao querer impedir que Malafaia atue como psicólogo.

Usando da retórica que o transformou em um dos três líderes religiosos mais poderosos e influentes do Brasil, Malafaia inverte o jogo e diz que “os grupos mais intolerantes da pós-modernidade são os ativistas gays. Eles querem calar qualquer um que se levante para criticar a conduta homossexual”.






Fonte: G Noticias

Aproveite o seu tempo (Atualizado)

Caros leitores é Fantástico como as pessoas se deixam levar por tudo que aparece na mídia. Quero antes de tudo salientar que não sou contra a TV, mas sou contra as pessoas que não selecionam o que vão assistir, vêem, ouvem e retende tudo, fazendo assim uma Zorra Total de informações, onde tudo ou quase nada se aproveita.


Sei que muitos farão Caras e Bocas para o artigo que ora escrevo, mas como diz o Pr. Ciro eu tenho “compromisso com a Palavra de Deus e o Deus da Palavra”. Por isso, eu não sou como uns e outros que Morde e Assopra, ou ficam de Tapas e Beijos, antes me posiciono de forma veemente contra tudo que tenho visto e ouvido que vai de encontro ao que a Bíblia nos ensina.


Fico com Hipertensão e com a Temperatura Máxima ao ver um Ti-ti-ti na igreja de pessoas Caras de pau que possuem um Insensato Coração ao discutir durante o culto acerca da novela O clone, afirmando que Vale a pena ver de novo isso quando não falam da Vida alheia o que é pior, e quem dera isso fosse algo esporádico, para alguns isso é Sagrado. Mas, quando se trata do verdadeiro Evangelho puro e sem mistura muitos sequer ficam de olho e com os ouvidos atentos, dizendo já conhecer a mensagem da cruz.


Por isso, existem na igreja “muitos fracos e doentes e muitos que dormem”, estando como latas velhas estagnadas e paradas no tempo e na obra que sequer tem combustível para caminhar. Grande parte disso ocorre pelo Caldeirão de informações não selecionadas e retidas por parte de muitos, que por sua vez, são disseminadas por essa grande globalização.


Tem pessoas que são como um corujão, pois ficam No Limite de suas forças ao estarem até Altas Horas ligadas na programação, deixando até a Tela Quente, enquanto eles mesmos não são nem quentes e nem frios, mas antes fossem quentes ou frios, pois o morno o Senhor vomitará, então Esquenta!


Bom dia Brasil é hora de acordar e Viver a vida da maneira que a Palavra do Senhor nos ensina, remindo bem o nosso tempo. Por isso, escrevo esse artigo a fim de alertar aos Cristãos. Afinal, nós somos uma Grande Família em Cristo, sei que vai ser difícil conseguir o meu intento, mas sei também que com muita Malhação e Ação conjunta de todos esse artigo viajará por esse Brasileirão chegando até no longínquo Araguaia.


‘Mais’ você, caro leitor. Têm de tomar uma posição diante dessa globalização. Domingão do Faustão? Que nada, o domingão bem como todos os dias é para adoração. Adoração a quem? Não é das Estrelas do BBB que só pensam em Amor e Sexo, na verdade mais sexo do que amor, mas sim daquele que é a estrela da manhã e o sol da justiça o qual nos ama incondicionalmente, enquanto há em nosso meio uma geração de Passione, ou melhor, apaixonados.


Que tal esquecer o Programa do Jô e se lembrar do exemplo de Jó que se levantou, rasgou seu manto, lançou em terra e adorou. Esqueça também dos três. Quais três? Aline e seus dois namorados. E se lembre das três de Daniel. Quais três? As três orações ao Senhor que ele fazia ao dia. Uma sessão de oração pela manhã, uma Sessão da Tarde bem como uma a noite.

Sei que vivemos em Tempos Modernos, mas isso não pode impedir que voltemos a algumas práticas antigas, esquecidas nos dias hodiernos. Como a exposição das boas novas. Pois, infelizmente só vimos as igrejas fazerem campanhas para A Cura, milagres, conquista, realização de sonhos, etc. Por que não se faz uma campanha para salvação de almas? Porque com toda essa globalização algumas igrejas deixaram de ser igrejas e passaram a ser Pequenas empresas grandes negócios.


Irmãos! Não vivemos num Cordel Encantado, e sim num mundo que “jaz no maligno”. Por isso, ele verbalizou “Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda à criatura”, pois “cedo venho”. Temos de nos unir e fazer um Som Brasil onde todos ouçam que Jesus, cura, liberta, batiza com o Espírito Santo e leva para céu. Diante do exposto, façamos de Jesus “O Astro” central de nossa vida, a final ele é o nosso “sol da justiça”.


Pense nisso,


Anderson Ribeiro

Marta Suplicy fala sobre “novo” PLC 122: o perigo continua

Mostra que remodelagem e troca de nome e número não diminuirão as ameaças aos cristãos

Julio Severo

Em entrevista ao programa homossexual de rádio CBN Mix Brasil, transmitido em 10 de julho de 2011, a senadora petista Marta Suplicy fala tudo sobre o PLC 122 e reafirma que o projeto não será arquivado.

Ela também disse: “Temos de mudar o número do PLC 122. Uma coisa tem de ficar clara: Não vai ser eu, com o histórico que tenho de vida, que vou colocar o conteúdo do PLC 122 no lixo. Isso não existe”.

A entrevista traz revelações importantíssimas sobre as ações de Marta para avançar o novo e camuflado PLC 122, inclusive deixando claro que os programas de rádio, TV e publicações cristãs continuarão proibidos de dizer que o homossexualismo é pecado.
Para ouvir a entrevista em duas partes, acesse:

Parte 1: http://www.youtube.com/watch?v=2Dyt33B6S1s
Parte 2: http://www.youtube.com/watch?v=w3p-CulqFI8

copie os dois links e cole na barra de endereços para assistir aos videos

Enquanto muitos estarão de férias em julho, Marta, Marcelo Crivella e outros estarão remodelando o PLC 122, com novo nome, número e aparência, para turbinar sua missão e essência.

Participa também da remodelação Toni Reis, presidente da ABGLT, a maior organização homossexual do Brasil, envolvida no escândalo de ter recebido milhões do governo federal para produzir o infame kit gay.

As artimanhas para avançar o PLC 122 estão mais para novela da Globo. Por pura coincidência, sua relatora passou anos no planeta global.

Primeiro, Fátima Cleide, a antiga relatora, e Iara Bernardi, a autora do projeto, haviam assegurado ao Brasil que o PLC 122 era apenas para proteger os homossexuais e não representava ameaça aos cristãos. Ambas pagaram caro nas urnas. E deviam também lavar a boca com sabão.

Depois, vem Suplicy que, para tentar agradar aos cristãos, promete garantir liberdade de expressão somente dentro das igrejas, conforme foi registrado em vídeo editado por mim aqui.

Quando esse truque não funcionou, Suplicy se reúne com o senador Magno Malta e outros políticos evangélicos amigos do PT. Malta, todo entusiasmado, disse que nesse encontro Marta afirmara ter sepultado o PLC 122, o que foi publicamente negado pela senadora.

Dias atrás, outro entusiasmado foi o senador Marcelo Crivella, que, para garantir que os cristãos possam ter assegurado o direito constitucional de criticar a sodomia pelo menos dentro dos templos, fez para Suplicy a concessão de aumentar as penas para os crimes contra o homossexualismo.

Essa concessão nos deixará numa situação interessante. Sem concessão, veja a realidade: Um homossexual adulto recentemente aliciou um menor de idade. Em outros tempos, tal crime poderia render uma pena pesada para o criminoso. Hoje, se esse homem homossexual chegar a ser considerado culpado, ele terá de fazer “doação de cestas básicas e prestação de serviços a comunidade”. Essa será sua punição.

Em contraste, pelo PLC 122, se você contratar um homem para sua empresa ou para trabalhar na sua casa, ou mesmo contratá-lo como professor particular de seus filhos para educá-los na sua casa, e o homem chegar para trabalhar vestido como mulher, você estará impedido de despedi-lo, sob pena não de fazer “doação de cestas básicas e prestação de serviços a comunidade”, mas de passar de dois a três anos na cadeia — como se você fosse mais perigoso do que um homossexual aliciador de menores!
Com o aumento da pena que Crivella recomendou, você poderá passar mais anos no xadrez, enquanto que o homossexual aliciador de menores de idade estará fazendo “doação de cestas básicas e prestação de serviços a comunidade”. O depravado fica à solta na comunidade enquanto que você, que é marido e pai de filhos, tem de ficar atrás das grades.

O texto preliminar que Marta entregou para Crivella está abaixo, mas preste atenção: A senadora deixou claro que esse não é o documento final. Haverá algumas “melhorias” nos próximos dias, numa novela que promete ter muitos capítulos pela frente.
Tal qual o entusiasmado Malta, Crivella está empolgado com a versão preliminar.

Mas vou ser sincero: não me sinto empolgado quando os amigos de Dilma Rousseff estão debatendo o nosso futuro. Quer sejam evangélicos ou não, os amigos da Dilma não são os nossos amigos. Quer sejam evangélicos ou não, os amigos do PT não são os nossos amigos.

O fato é que, mesmo sem nenhum PLC 122 no Brasil, já está havendo perseguição contra os cristãos. Em 2007, o Rev. Ademir Kreutzfeld, da Igreja Luterana de Santa Catarina, foi intimado por “homofobia”. Dias atrás, um pastor foi detido na Praça da Sé em São Paulo, porque um ouvinte gay “ofendido” chamou a polícia quando o pastor pregou textos bíblicos contra a sodomia.

Qualquer projeto de lei que dê o mínimo respaldo para a agenda gay será um prato cheio nas mãos dos militantes gays e seus simpatizantes.
Aqui vai o texto preliminar do novo PLC 122:

Criminaliza condutas discriminatórias motivadas por preconceito de sexo, orientação sexual ou identidade de gênero e altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal para punir, com maior rigor, atos de violência praticados com a mesma motivação.

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Art. 1º Esta Lei define crimes que correspondem a condutas discriminatórias motivadas por preconceito de sexo, orientação sexual ou identidade de gênero bem como pune, com maior rigor, atos de violência praticados com a mesma motivação.
Art. 2º Para efeito desta Lei, o termo sexo é utilizado para distinguir homens e mulheres, o termo orientação sexual refere-se à heterossexualidade, à homossexualidade e à bissexualidade, e o termo identidade de gênero a transexualidade e travestilidade.

Discriminação no mercado de trabalho

Art. 3º Deixar de contratar alguém ou dificultar a sua contratação, quando atendidas as qualificações exigidas para o posto de trabalho, motivado por preconceito de sexo, orientação sexual ou identidade de gênero:
Pena – reclusão, de um a três anos.

§ 1º A pena é aumentada de um terço se a discriminação se dá no acesso aos cargos, funções e contratos da Administração Pública.

§ 2º Nas mesmas penas incorre quem, durante o contrato de trabalho ou relação funcional, discrimina alguém motivado por preconceito de sexo, orientação sexual ou identidade de gênero.

Discriminação nas relações de consumo

Art. 4º Recusar ou impedir o acesso de alguém a estabelecimento comercial de qualquer natureza ou negar-lhe atendimento, motivado por preconceito de sexo, orientação sexual ou identidade de gênero:

Pena – reclusão, de um a três anos.

Indução à violência

Art. 5º Induzir alguém à prática de violência de qualquer natureza motivado por preconceito de sexo, orientação sexual ou identidade de gênero:
Pena – reclusão, de um a três anos, além da pena aplicada à violência.

Art. 6º O Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal, passa a vigorar com as seguintes alterações:

“Art. 61……………………………………………………………………….
II…………………………………………………………………………………

m) motivado por discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, origem, condição de pessoa idosa ou com deficiência, gênero, sexo, orientação sexual ou identidade de gênero.”
Art. 121……………………………………………………………………………..
§ 2º……………………………………………………………………………………
…………………………………………………………………………………………
VI – em decorrência de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, origem, condição de pessoa idosa ou com deficiência, gênero, sexo, orientação sexual ou identidade de gênero.” (NR)
Art. 129……………………………………………………………………………
……………………………………………………………………………………….

§ 9o Se a lesão for praticada contra ascendente, descendente, irmão, cônjuge ou companheiro, ou com quem conviva ou tenha convivido, ou, ainda, prevalecendo-se o agente das relações domésticas, de coabitação ou de hospitalidade ou em motivada por discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, origem, condição de pessoa idosa ou com deficiência, gênero, sexo, orientação sexual ou identidade de gênero.” (NR)
Art. 140……………………………………………………………………………..

“§ 3º Se a injúria consiste na utilização de elementos referentes a raça, cor, etnia, religião, origem, condição de pessoa idosa ou com deficiência, gênero, sexo, orientação sexual ou identidade de gênero:
………………………………………………………” (NR)
“Art. 288……………………………………………………………………………
…………………………………………………………………………………………

Parágrafo único – A pena aplica-se em dobro, se a quadrilha ou bando é armado ou se a associação destina-se a cometer crimes por motivo de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, origem, condição de pessoa idosa ou com deficiência, gênero, sexo, orientação sexual ou identidade de gênero.

Art. 7º Suprima-se o nomem iuris violência doméstica que antecede o § 9º, do art. 129, do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal.

Art. 8º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Fingindo loucamente

OLAVO DE CARVALHO

Mesmo sem contar os eventos paralelos que a acompanharam em dezenas ou centenas de cidades menores, a Marcha para Jesus 2011, em São Paulo, foi de longe a maior manifestação de massas já registrada ao longo de toda a História nacional, pondo no chinelo a "Diretas Já", os protestos estudantis do tempo da ditadura e tudo o mais que a mídia chique enaltece e badala como expressão histórica e paradigmática da vontade popular. Com a diferença adicional de que foi preparada sem nenhuma ajuda de jornais, canais de TV, partidos políticos, fundações bilionárias e outras entidades que injetaram toneladas de hormônio publicitário naquelas efusões de esquerdismo cívico.

Com toda a evidência, a elite opinante tem seu próprio "povo brasileiro", moldado à sua imagem e conveniência, que não coincide em nada com aquele que vemos nas ruas, nas praças, nas igrejas e nas casas.

Se fosse preciso mais uma prova do abismo que separa o Brasil real do Brasil politicamente correto dos bem-pensantes, a Marcha demonstrou que esse abismo não foi cavado só pela ignorância e incompetência dos chamados "formadores de opinião", mas pelo ódio mortal e intolerante que votam a tudo quanto o povo ama, respeita e venera.

O Brasil oficial de hoje é, de alto a baixo, criação de um grupo de professores ativistas uspianos, semicultos e presunçosos, que se acreditavam o cume da inteligência humana e o tribunal de última instância para o julgamento de tudo. Num horizonte mental circunscrito pelas "ciências sociais" com viés entre marxista e positivista, não se ouvia nesse tribunal nem a voz dos clássicos da religião e da espiritualidade, nem a da alma popular brasileira, ali substituída pelo estereótipo prêt-à-porter da militância sindical.

Os profissionais que hoje dominam as redações tiveram sua mentalidade formada por essa gente, não sendo de espantar que ainda tomem os mitos esquerdistas dos anos 60-70 como medida máxima de aferição da realidade, nem que, por isso mesmo, se sintam atônitos e enraivecidos quando um Brasil cuja existência negavam faz ouvir o seu protesto contra aquilo que tomavam como valores certos, definitivos e universalmente aprovados.

Nem espanta que, sem saber o que dizer, apelem aos artifícios verbais mais bobos para salvar o que podem de uma fantasia autolisonjeira impiedosamente despedaçada pelos fatos. Num paroxismo de fingimento, o Sr. Gilberto Dimenstein, por exemplo, nega a realidade do protesto multitudinário, jurando, contra os números, que a cidade de São Paulo é ainda "mais gay do que evangélica". Prova? A Parada Gay, diz ele, é alegre e festiva, enquanto o protesto evangélico é "raivoso". O argumento é doido em si, já que o tom emocional das manifestações não constitui medida de aferição de sua respectiva popularidade ou impopularidade. Se assim fosse, as "Diretas Já", espumando de indignação cívica, teriam sido menos populares que qualquer festinha de aniversário. Mas o julgamento ético aí subentendido é de um cinismo pérfido, ao insinuar que a índole lúdico-carnavalesca das paradas gays é prova de superioridade moral e o protesto indignado dos evangélicos um indício de maus instintos.

De um lado, é claro que julgamento similar jamais ocorreu ou ocorreria a Dimenstein ante explosões de ódio esquerdista ao capitalismo, à religião, a George W. Bush ou ao que quer que fosse. De outro, é preciso ter galgado os últimos degraus da hipocrisia para olhar só a expressão material dos sentimentos sem ter em conta os motivos que os geraram. Afinal, gays em parada saltitam pela cidade, cobertos de batom e rouge, vestidos de freiras ou trajes de sex shop, celebrando os favores estatais concedidos à sua modalidade especial de satisfação sexual. Quem não estouraria de felicidade triunfante ao ver seus caprichos eróticos elevados à condição de méritos oficiais? Bem diversa é a motivação dos evangélicos, que saíram às ruas para precaver-se contra autoridades insanas que ameaçam levá-los à cadeia por delito de opinião.

Deveriam fazê-lo em tom de festa, para não posar de malvados na coluna de Gilberto Dimenstein? Ele finge imaginar que sim. Mas quem acredita em Gilberto Dimenstein? Nem ele mesmo, é claro.

Fonte: Midia Sem Mascara

Fim da PLC 122 foi jogada política: Confira as táticas pró-gays para que projeto seja aprovado

O que pareceu ser uma vitória evangélica contra a PLC 122, chamada de mordaça gay, não passou de uma manobra política para manter a proposta viva não apenas no Senado, mas onde quer que ela possa ser aprovada. Após reunião com os senadores Magno Malta (PR-ES) e Walter Pinheiro (PT-BA) e o deputado Gilmar Machado (PT/MG), a senadora Marta Suplicy afirmou que encerrou o projeto de lei 122 de 2006 que visava criminalizar a homofobia e recebia forte rejeição da ala conservadora de Brasília. O motivo seria porque o projeto não tinha mais chances de ser aprovado no Senado em nenhuma votação devido ao fato de já estar “demonizado” pelos cristãos do Brasil.
Apesar das comemorações de evangélicos e opositores a agenda gay no Brasil, a alegria não durou muito. Foi anunciado que diversas manobras políticas estão acontecendo ao mesmo tempo, todas com o objetivo idêntico: aprovar o conteúdo da PLC 122, mesmo que não seja exatamente com esse nome. Dentre as idéias existem apoios de deputados e senadores evangélicos.

A Senadora Marta Suplicy, relatora da última versão da PLC 122, anunciou que irá fazer um novo projeto com o mesmo foco do anterior. Apesar do anúncio do fim da PLC 122 ter acontecido nos últimos dias, a intenção do fim e a criação do novo projeto já tinham sido preparado pela Senadora e lideranças gays semanas antes, como conta a própria integrante do PT: “Em proposta minha, e já acordada há algumas semanas, com Toni Reis, presidente da ABGLT, e os senadores Marcelo Crivella e Demóstenes Torres (DEM-GO), chegamos à conclusão que devido à demonização do PLC 122 deveríamos apresentar um novo projeto de lei, mantendo as principais diretrizes no combate à homofobia”, disse a Senadora que frisou a participação do Senador evangélico Marcelo Crivella (PRB-RJ), integrante da Frente Parlamentar Evangélica e da Igreja Universal do Reino de Deus, na tática e no novo projeto. Crivella, assim como seu partido e igreja, são apoiadores do PT de Marta Suplicy.

Apesar do anúncio da petista, o Senador Demóstenes Torres anunciou que também apresentará um projeto parecido a PLC 122, este visaria contemplar as reividicações gays e de várias vertentes evangélicas ao mesmo tempo. “Ainda que esta não seja a alternativa mais adequada, o PLC 122 já foi demonizado. Acima de tudo, queremos um projeto que combata a violência e criminalize a homofobia”, afirmou o presidente da ABGLT, Toni Reis, em apoio a proposta do Senador Demóstenes.

Além dessas ações para aprovar a proposta, apesar do pronunciamento de Marta Suplicy e Magno Malta a PLC 122 não está oficialmente encerrada. O anúncio aconteceu a cerca de cinco dias, mas segundo o Senado até o fechamento desta matéria o projeto não foi arquivado pela senadora.

Além dos dois projetos, os defensores gays ainda trabalham com outras frentes para conseguir a aprovação do projeto. Uma das idéias é apoiar a PL 6418/2005, do Senador Paulo Paim, que visa classificar como inafiançáveis e imprescritíveis crimes de discriminação no mercado de trabalho, de injúria resultante de preconceito e de apologia ao racismo. A idéia seria poder incluir a homofobia dentre as formas de preconceito descritos no projeto. Esta PL tem o apoio da bancada evangélica. A outra frente que a liderança gay e a Senadora Marta Suplicy anunciaram é levar a questão tratada na PLC 122 ao STF, aproveitando as recentes decisões pró-gays definidas pelos ministros do Supremo.

fonte: G noticias gospel, G +.

domingo, 24 de julho de 2011

Uma breve análise do “novo” PLC 122

Embora tenha retirado alguns equívocos do projeto original, ...

A senadora Marta Suplicy apresentou o “novo” PLC 122, agora batizado por ela de “Lei Alexandre Ivo”, nome de um rapaz assassinado em 2010 supostamente por ser gay. Como havia informado anteriormente, a proposta de “mudança” no nome do projeto de lei pela senadora tem o objetivo claro de acabar com a aquilo que ela chama de “demonização” do PLC 122, que vinha recebendo críticas ferrenhas de alguns cristãos e da bancada evangélica.

Segundo informações da mídia, o substitutivo apresentado foi criado pelos senadores Demóstenes Torres, Marcelo Crivella e pela própria Marta Suplicy. Nesta nova proposta, discursos que condenam a homossexualidade não entraram no texto, porém, tipifica penalmente a discriminação no mercado de trabalho, a discriminação nas relações de consumo e a indução à violência, além de promover algumas alterações no Código Penal.

Embora a proposição não contenha alguns erros jurídicos do projeto original, notadamente o cerceamento ao direito à liberdade de expressão e de crença, o substitutivo ainda contém certos vícios, porque eivado de conteúdo ideológico do movimento gay (como a introdução sutil dos conceitos de sexo, orientação sexual e identidade de gênero – vide art. 2º) e de incoerências técnico-jurídicas.

1. DISCRIMINAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO

O art. 3º do novo projeto tipifica como crime a discriminação no mercado de trabalho, nos seguintes termos:

Art. 3º Deixar de contratar alguém ou dificultar a sua contratação, quando atendidas as qualificações exigidas para o posto de trabalho, motivado por preconceito de sexo, orientação sexual ou identidade de gênero:

Pena – reclusão, de um a três anos.

§ 1º A pena é aumentada de um terço se a discriminação se dá no acesso aos cargos, funções e contratos da Administração Pública.
§ 2º Nas mesmas penas incorre quem, durante o contrato de trabalho ou relação funcional, discrimina alguém motivado por preconceito de sexo, orientação sexual ou identidade de gênero.

A proposta mantém a mesma incoerência do projeto inicial, criminalizando o fato de “deixar de contratar alguém ou dificultar a sua contratação, quando atendidas as qualificações exigidas para o posto de trabalho”. Nesse sentido, o crime pode ser imputado até mesmo a uma pessoa que não queira contratar, por exemplo, uma babá ou secretária homossexual para trabalhar dentro de sua própria residência. Isso porque, o dispositivo não faz qualquer distinção sobre o tipo de contração e relação empregatícia que o tipo penal atinge.

Além disso, o comando concede uma espécie de “direito adquirido ao emprego” ao homossexual, impondo-se a obrigatoriedade da sua contratação caso o mesmo “atenda as qualificações exigidas para o posto de trabalho”. O dispositivo é questionável porque tal tipo de direito não é concedido a nenhum outro grupo dentro da sociedade, ferindo, portanto, o direito constitucional de isonomia; isto é, de igualdade.

Prosseguindo um pouco mais, o § 1º diz que “a pena é aumentada de um terço se a discriminação se dá no acesso aos cargos, funções e contratos da Administração Pública”. Totalmente sem razão é este parágrafo, porquanto a teor do que dispõe o artigo 37, incisos I e II, da Constituição Federal, os cargos, empregos e funções públicas são acessíveis aos brasileiros que preencham os requisitos estabelecidos em lei, assim como aos estrangeiros, na forma da lei; e a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração.

Como se nota, em regra o acesso aos cargos públicos se dá por meio de concurso público, de modo que o candidato somente poderá ser nomeado no cargo caso seja aprovado no certame, com os requisitos exigidos em lei. Para tanto, o edital convocatório deve pautar-se pela legalidade privilegiando a igualdade entre os concorrentes sem qualquer tipo de discriminação. Nesse sentido, caso o edital faça a previsão de qualquer aspecto que favoreça ou prejudique determinado tipo ou grupo de pessoas, tal ato administrativo poderá perfeitamente ser questionado tanto pela via administrativa quando judicial, para o fim de anulá-lo por ilegalidade.

Nessa linha, tenho que a criação de um tipo penal para punir a pessoa que dificulta o acesso ao cargo público por motivo de “preconceito por orientação sexual” também fere o princípio da isonomia, isto porque tal proteção não é estendida a outros grupos de pessoas ou que tenham características distintas. Esse mesmo raciocínio se aplica aos cargos públicos de livre nomeação e exoneração (que dispensam o concurso público) e os contratos com a Administração Pública.

2. INDUÇÃO À PRÁTICA DE VIOLÊNCIA

Já o art. 5º estabelece o seguinte: “Induzir alguém à prática de violência de qualquer natureza motivado por preconceito de sexo, orientação sexual ou identidade de gênero; Pena – reclusão, de um a três anos, além da pena aplicada à violência”.

Evidentemente que devemos nesse ponto concordar com a proteção física dos homossexuais, rejeitando-se qualquer tipo de agressão contra qualquer tipo de pessoa qualquer que seja o motivo. Mas, o que causa estranheza é a pena imposta ao infrator: reclusão, de um a três anos, além da pena aplicada à violência.

De início, é preciso observar que o verbo do referido tipo penal é induzir. Trata-se, portanto, de crime formal; isto é, que independe do resultado. Significa dizer que se uma pessoa induzir outra a praticar violência contra um homossexual, motivado por preconceito de sexo, orientação sexual ou identidade de gênero, mesmo que a violência não se concretize, aquele que induziu poderá ser condenado.

Assim, o artigo 5º não pune a violência em si, mas somente o induzimento, a instigação; tanto é assim que o parágrafo único estabelece claramente que a pena é de reclusão, de um a três anos, além da pena aplicada à violência.

Com efeito, é preciso esclarecer que a pena aplicada à violência depende da sua gravidade, nos termos do artigo 129 do Código Penal (lesão corporal). Desta forma, se a violência exercida ofender a integridade corporal ou a saúde de outrem, sem maiores gravidades, a pena a ser aplicada será de detenção de três meses a um ano (Vale observar que, nesta hipótese, a pena pela indução à violência é muito superior à própria violência, situação esta que obviamente não privilegia um dos principais princípios da individualização da pena que é a proporcionalidade).

Se a lesão corporal for de natureza grave, ou seja, resultar na incapacidade para as ocupações habituais, por mais de 30 (trinta) dias, debilidade permanente de membro, sentido ou função ou aceleração de parto, a pena da violência será de reclusão de 1 a 5 anos. Caso a lesão resulte em incapacidade permanente para o trabalho, enfermidade incurável, perda ou inutilização de membro, sentido ou função; ou deformidade permanente, a pena de reclusão será de 2 a 8 anos.

Impende destacar novamente que a punição pela lesão corporal já está prevista no art. 129 do Código Penal, sendo que o novo PLC 122 simplesmente criminaliza a indução à violência, além de elevar a pena da lesão quando praticada por motivo de discriminação, como se verá logo mais adiante.

Assim, feita a distinção entre o tipo penal previsto no art. 5º (induzir à violência) e os resultados da violência (art. 129 do Código Penal), vale observar a falta de clareza técnica do projeto apresentado. É que o dispositivo preconiza que no caso de indução à violência a pena será de reclusão, de 1 a 3 anos, além da pena aplicada à violência.

Ora, a pessoa que faz a indução deve ser diferente daquele que pratica a própria violência, até porque o projeto apresentado em seu art. 6º altera o art. 129, § 9º, do Código Penal, cuja redação passa a ser a seguinte:

“§ 9o Se a lesão for praticada contra ascendente, descendente, irmão, cônjuge ou companheiro, ou com quem conviva ou tenha convivido, ou, ainda, prevalecendo-se o agente das relações domésticas, de coabitação ou de hospitalidade ou em motivada por discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, origem, condição de pessoa idosa ou com deficiência, gênero, sexo, orientação sexual ou identidade de gênero.” (NR)

Pena – detenção, de 3 (três) meses a 3 (três) anos). (redação já constante do CP)

Assim, trocando em miúdos, se “A” induzir “B” a praticar violência contra “C” por motivo de discriminação e preconceito, “A” será punido tanto pela indução (reclusão de 1 a 3 anos) quanto pela própria violência (detenção de 3 meses a 3 anos), caso a violência seja de menor gravidade. Enquanto isso, “B” será pena punido somente pela violência.

A questão é que o art. 5º do novo PLC 122 cria uma teratologia jurídica. Isto porque, atualmente a legislação penal já pune a pessoa que instiga outrem para a realização de um crime, na medida da sua culpabilidade, mesmo que não tenha executado a ação criminosa. O artigo 29 do Código Penal preconiza que “quem, de qualquer modo, concorre para o crime incide nas penas a este cominadas, na medida da sua culpabilidade”. Trata-se do denominado concurso de agentes, que exige a reunião de duas ou mais pessoas, de forma consciente e voluntária, concorrendo ou colaborando para o cometimento de certa infração penal.

Nesse caso, a doutrina (pela teoria formal) costuma fazer a distinção entre a co-autoria e a participação. Há a co-autoria quando o agente também executa os atos delituosos ou pratica o verbo do tipo penal (p. ex. duas pessoas conjuntamente agridem fisicamente outrem). Já o partícipe é aquele que, embora não execute o ato criminoso, concorre de alguma forma para sua ocorrência, por meio do assessoramento, planejamento ou instigação. Como escreve Guilherme de Souza Nucci, “ao partícipe fica reservada a posição de auxilio material ou suporte moral (onde se inclui o induzimento, a instigação ou o comando), para a concretização do crime (Código Penal Comentado, p. 29).

Portanto, a criação de tipo penal para criminalizar a indução a outro crime não nos parecer juridicamente correta. É um exagero; uma redundância jurídica. Tanto é assim que o Código Penal não possui, por exemplo, o crime de instigação ao homicídio, ao roubo ou ao furto, visto que a norma de extensão do artigo 29 do CP já contém implícita tal previsão.

3. HOMICÍDIO QUALIFICADO

O projeto também introduz uma nova hipótese de homicídio qualificado, acrescentando o inciso VI ao art. 121, § 2º, do Código Penal:

“VI - em decorrência de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, origem, condição de pessoa idosa ou com deficiência, gênero, sexo, orientação sexual ou identidade de gênero.” (NR)

Portanto, o homicídio que é penalizado com reclusão de 6 a 20 anos, passa para 12 a 30 anos.

Reconhecemos que o homicídio é um grave atentado ao ser humano, pouco importando o motivo. Contudo, neste caso é preciso verificar se a elevação da penalidade tem a sua razão de ser, visto que este novo PLC 122 também acrescenta uma nova forma de agravante no crime “motivado por discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, origem, condição de pessoa idosa ou com deficiência, gênero, sexo, orientação sexual ou identidade de gênero.”

Ou seja, o texto cria um novo tipo de homicídio privilegiado e também uma nova espécie de agravante. A diferença entre o crime qualificado e a agravante reside no fato de que naquele o legislador muda as penas mínimas e máximas, e nesta última situação a pena sobre um acréscimo proporcional, como por exemplo, 1/3 (um terço).

Então, resta saber se a melhor forma de punir com maior gravidade o crime cometido por motivo de preconceito é o estabelecimento de uma qualificadora ou a utilização da agravante. Entendo que a agravante é suficiente, porque proporciona ao magistrado analisar a situação concreta e com isso aplicar uma pena mais consentânea com os fatos.

4. CONCLUSÃO

Em conclusão, portanto, embora tenha retirado alguns equívocos do projeto original, o “novo” PLC ainda está eivado de vícios jurídicos e ideológicos e que necessitam de uma análise mais acurada e debate pela sociedade.

por Valmir Nascimento
fonte: http://www.cpadnews.com.br/blog/valmirnascimento/?POST_1_56_UMA+BREVE+AN%E1LISE+DO+

Coração Insensato de novelistas da Globo pisa em cristãos outra vez

A novela Insensato Coração é patricinada pela empresa Natura, que faz publicidade do perfume Kaiak.



No Brasil, Insensato Coração é a novela com maior número de homossexuais até o momento.
Segundo o jornal O Dia, a parceria Gilberto Braga e Ricardo Linhares, os autores, escreveram cenas de selvageria contra casais gays que irá ao ar nas próximas semanas.


Na segunda-feira, dia 18, uma cena causou protestos contra a Rede Globo. O personagem Chicão (Wendell Bendelack) tem uma fala em que ridiculariza os pais evangélicos, afirmando que eles são idiotas manipulados por um pastor evangélico, e por este motivo os tratam mal.


­A tentativa de ridicularizar líderes e cristãos evangélicos em geral gerou reações contra a emissora. O Pastor Silas Malafaia enviou carta de protesto à alta cúpula da emissora.

Faça o mesmo, mostre sua insatisfação:

Atendimento da Rede Globo:

Telefone: 400 22 884 (custo de uma ligação local)

E mail: http://falecomaredeglobo.globo.com/
Mas, não fique apenas nisso, faça levantamento das centrais de atendimento dos patrocinadores de Insensato Coração, e proteste contra eles por apoiarem enredo folhetinesco anticristão. Diga-lhes que como consumir você merece respeito e não aceita comprar marcas que se associem contra o cristianismo.


O personagem Chicão tem o destino traçado, será vítima de violência por causa de sua opção sexual nos próximos capítulos. Sugiro que os cristãos evangélicos acompanhem a trama e anotem os patrocinadores dessa novela. E se por acaso o roteiro colocar evangélicos como homofóbicos, espancadores de homossexuais, então usemos o telefone e o e-mail para reclamar a quem paga os salários desses autores, atores, atrizes e, por conseguinte gera lucros para a Rede Globo.


Façamos a cúpula da emissora, agências de propagandas e os detentores de marcas de patrocínios, constatarem que audiência alta nem sempre é sinal de aprovação do telespectador. Reaja. Proteste. Vá às compras e boicote marcas de produtos que não respeitam a sua fé e faça os fabricantes saberem que está comprando produtos da concorrência.

E.A.G.


O artigo está liberado para cópias, para uso em todos os meios possíveis, desde que não seja com objetivo comercial, seja informado o nome do autor e também fonte de coleta. Eliseu Antonio Gomes; www.ubeblogs.net

quarta-feira, 6 de julho de 2011

ESTUPIDEZ! Lideranças do sindicalismo gay partem para o confronto com os católicos e levam à avenida “santos” em situações “homoeróticas”

ESTUPIDEZ! Lideranças do sindicalismo gay partem para o confronto com os católicos e levam à avenida “santos” em situações “homoeróticas”. Que a Igreja Católica tenha a coragem de enfrentar a imprensa e reaja à altura!

Tenho feito aqui uma distinção, que considero importante, entre os homossexuais e os militantes homossexuais, que formam uma espécie de sindicato. Tanto é assim que já há até divisões entre grupos envolvidos com a parada gay. As bizarrices que se vêem na avenida, na sua expressão mais carnavalizada, não são representativas dos homossexuais como um todo. Fico cá me perguntado qual seria a caricatura correspondente de um heterossexual. Não deve ser algo que atenda ao bom senso e ao bom gosto. Muito bem.

Os organizadores da parada gay deste ano, sob o pretexto de combater o preconceito, resolveram, de cara, partir para a provocação. O tema do “samba-enredo” era “Amai-vos uns ao outros”, numa evocação da mensagem cristã, que passa a ter, evidentemente, um conteúdo “homoafetivo”, como eles dizem, e, dado o conjunto da obra, homoerótico. É uma gente realmente curiosa: quer a aprovação de um PLC 122 — que, na forma original, impunha simplesmente a censura aos religiosos —, mas reivindica o direito de se apropriar de emblemas da religião para fazer seu proselitismo. E isso, claro!, porque eles só querem a paz, a igualdade e convivência pacífica…

Pois bem: esses sindicalistas do gayzismo — que, reitero, representam os homossexuais tanto quanto a CUT representa todos os trabalhadores — acharam que aquela provocação não tinha sido o bastante. Como nem evangélicos nem católicos reagiram à bobagem, então resolveram dobrar a dose. A organização do evento espalhou 170 cartazes em postes da Paulista em que 12 modelos masculinos aparecem quase pelados, em situações de claro apelo erótico, recomendando o uso de camisinha. Até aí, bem! Ocorre que eles aparecem caracterizados como santos católicos, a exemplo de São Sebastião e São João Batista. Junto com a imagem, a mensagem: “Nem Santo Te Protege” e “Use Camisinha”.

Fingindo-se de tonto, Ideraldo Beltrame, presidente da parada, afirma ao Estadão: “Nossa intenção é mostrar à sociedade que todas as pessoas, seja qual for a religião delas, precisam entrar na luta pela prevenção das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST). Aids não tem religião”. É uma fala hipócrita, de conteúdo obviamente vigarista, própria de um provocador. Ele poderia ter passado essa mesma mensagem sem agredir valores e imagens que sabe caros a milhões de pessoas que não partilham de sua mesma visão de mundo. Mas quem disse que o negócio dele e tolerância?

É bem possível que o ministro Celso de Mello, com aquele seu tratado sobre a liberdade de expressão que emprestou sentido novo à palavra “apologia” no caso das marchas da maconha, veja na manifestação não mais do que a expressão livre do pensamento. Os 12 modelos desfilavam num carro. As imagens dos “santos” vão decorar 100 mil preservativos que serão distribuídos. Será mesmo que Beltrame está preocupado em dialogar com católicos, evangélicos ou qualquer outro que não partilhe de seus valores? Trata-se de uma óbvia agressão aos valores católicos, que viola direitos que também estão protegidos pela Constituição.

Resta evidente que, embalados pela disposição do próprio Supremo de cassar o Artigo 226 da Constituição para reconhecer a união civil entre pessoas do mesmo sexo, os sindicalistas do movimento gay perderam a noção de medida e de parâmetro. Sexualizar ícones de uma religião que cultiva um conjunto de valores contrários a essa forma de proselitismo é uma agressão gratuita, típica de quem se sente fortalecido o bastante para partir para o confronto. Colabora com a causa gay e para a eliminação dos preconceitos? É claro que não! Não estão eles dizendo que não querem mais ser discriminados nas escolas, nas ruas, campos construções? Você deixaria seu filho entregue a um professor que acha São João Batista um, como posso dizer, “gato”? Que vê São Sebastião e não resiste a um homem agonizante, sofrendo? O que quer essa gente, afinal? Direitos?

Ainda é tempo de recuar e desculpar-se, deixando de distribuir os preservativos com as tais imagens. Mas não farão isso. E por que não?

Vanguarda

Na Folha de hoje, escreve o colunista Fernando Barros:

“A Parada Gay e a Marcha para Jesus têm mais ou menos a mesma idade. Ganharam visibilidade no país em meados dos anos 1990. Embora sejam eventos globais, com inserção em várias cidades, é em São Paulo que elas de fato acontecem. São o sagrado e o profano, a expressão ritualística ou carnavalizada da afirmação de valores e de direitos de grupos sociais. Neste ano, mais do que nunca, evangélicos e gays & simpatizantes disputaram um cabo de guerra, uma peleja entre o atraso e a vanguarda em matéria de costumes. Ambos, porém, são fenômenos contemporâneos. O embate entre eles desenha uma dialética entre regressão e avanço social no Brasil. Conservadores e intolerantes, os adeptos de Jesus investiram contra a decisão recente do STF, que reconheceu a união civil de casais gays.”

Barros submete os dois eventos a uma leitura marxista — ou marxistizada ao menos — e, consoante com o método, destitui uma e outra do conteúdo específico para ver em ambos aquela que seria a pulsão da história: regressão e avanço. Nesse caso, segundo ele, a vanguarda estaria com os gays, o que seria, digamos, kantianamente notável. Seguisse toda a humanidade o exemplo dessa minoria “vanguardista”, Marina não teria de se preocupar com a destruição das florestas e com as mudanças climáticas. Num prazo que nem seria tão longo, o capital não teria mais como se reproduzir porque também ele depende de um coito específico, não é mesmo? Seria uma vanguarda que nos conduziria à extinção. Só os grilinhos continuariam a cantar em louvor à natureza, a que responderiam os sapinhos, coaxando. De vez em quando, uma onça…

Barros não é bobo, e, por isso mesmo, ele enfatiza: trata-se de “vanguarda” e “regressão”, mas “em matéria de costumes”, até porque os milhões de evangélicos que ocuparam as ruas e praças se confundem, em muitos aspectos, com a tal nova “classe C”, que é considerada até bastante “vanguardista” pelos economistas. Curiosamente, concorre para tanto justamente alguns costumes que o articulista considera “regressivos”, de modo que estaríamos, então, diante de uma, sei lá, “tensão dialética” dentro do mesmo lado: um avanço na economia seria determinado, em boa parte, por uma regressão — ele nem mesmo fala em conservação — nos costumes.

Fico cá imaginando se Max Weber — que não era marxista, por suposto — tivesse aplicado essa mesma leitura ao escrever “A Ética Protestante e O Espírito do Capitalismo”… Em vez de identificar alguns valores que fizeram a revolução capitalista, teria visto só um bando de “regressivos”, dispostos, já que regressivos, a fazer o mundo marchar para trás…

A questãoEsse sindicalismo gay só decidiu partir para o confronto e não vai reconhecer a agressão estúpida aos católicos — própria de quem não quer a paz coisa nenhuma! — porque foi adotada justamente como “vanguarda”. E, vocês sabem, é vanguardista atacar a Igreja Católica desde o século… 16!

É o caso de a Igreja reagir com o devido rigor. É claro que estamos diante de um ato de vilipêndio, que nenhuma religião deve aceitar, sobretudo porque também é um bem protegido pela Constituição. Há de reagir em nome dos seus fiéis, sabendo, de antemão, que vai ser atacada pela imprensa porque, hoje em dia, ter uma religião também não é uma coisa de vanguarda — desde o século 18, pelo menos, é assim… Estamos, como vocês podem notar, diante de idéias realmente novas, que antecipam o futuro.

Que a Igreja Católica, pois, tenha a coragem de apanhar dos jornalistas. A questão é saber quem são seus interlocutores. Se preciso, que vá às portas do Supremo. Se os valores de uma religião não são mais um bem protegido, vamos, então, ouvir isso da boca de nossos doutores. Se for o caso, os católicos pedirão, no mínimo, os mesmos direitos de que gozam os índios, cujas crenças são acolhidas no Artigo 231.
Militância em favor dos direitos dos homossexuais é uma coisa; perverter imagens religiosas, emprestando-lhes um sentido erótico que não têm, é coisa de tarados. Se a Justiça nada pode, então é o caso de convocar a medicina.

Peço a vocês que comentem com moderação. Este blog, como é sabido, não é homofóbico. Ele é estupidofóbico!

Por Reinaldo Azevedo

fonte: http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/estupidez-liderancas-do-sindicalismo-gay-partem-para-o-confronto-com-os-catolicos-e-levam-a-avenida-%E2%80%9Csantos%E2%80%9D-em-situacoes-%E2%80%9Chomoeroticas%E2%80%9D-que-a-igreja-catolica-tenha-a/

terça-feira, 5 de julho de 2011

Minha resposta em relação a resposta do Pastor.

Meu amado responderei mais não colocarei seu nome por ética e por não haver necessidade disso, está ai a Resposta irmão Reflita, você e todos que defenderam uma causa sem respaldo e que entrou em meu blog apartir de então.

Comentário do Pastor - primeiro videira significa cristo e não você , ele diz em João 15:01 e 02 o seguinte eu sou a verdadeira videira e meu pai é o lavrador , se caso você estiver em cristo você será o ramo, mas como vejo você nem o conceito básico de videira você sabe, e ele continua no versos 02 todo ramo que, estando em mim ,não dá fruto ele corta e todo o que dá fruto ele poda, para que dê mais fruto ainda.

E no verso 05 ele diz eu sou a videira, vós sois os ramos. Quem permanecer em mim e eu nele, esse dá muito frutos pois sem mim nada podeis fazer .
Outra coisa o termo evangélico significa um nome que veio de evangelho, não necessariamente denominação, mas aquele crê em cristo como o salvador de sua vida.
Está em cristo é ser justo acima de que é visto a olhos de homens, pois aqueles que agradam aos homens não agradam a deus e aquele que agrada a deus não agrada aos homens , isso parece que você não lê , ou não quer saber.

Minha Nota: Não falei que era a videira, falei que participava da Igreja Videira, templo, o que você falou está correto, mas fui mal interpretado sobre essa questão, eu me considero um Ramo da Videira (Cristo)

A Constituição Brasileira em seu art. 226 diz o seguinte:

Art. 226 A Família base da sociedade, tem especial proteção do Estado
§ 3º Para efeito de proteção do estado é reconhecida a união estável ente o (homem e a mulher) como (Entidade Familiar), devendo a Lei facilitar sua conversão em casamento.

Correto essa constituição claro que sim concordo com ela grau e gênero, por ser discípulo de cristo, e do messias, mais por que é a constituição de 1988, só que quando foi elaborada a constituição ela não procedia estes indivíduos da sociedade, ou seja, os homossexuais, que também é um erro, pois nós não podemos descartar que eles existem em nossa sociedade e no mundo e também dentro da constituição brasileira precisamente no artigo 5º diz o seguinte: todos nós somos iguais perante a lei, e eles estão incluídos nos iguais, da mesma maneira, temos de formas iguais direitos e obrigações, então se somos iguais em direito em obrigações temos o direito de requerer do estado este direito do mesmo jeito que os homossexuais.

Minha Nota: quando a constituição foi elaborada já existia homossexual, mas a homossexualidade era tratada como doença, diante disso, como nucleo da familia foi reconhecido somente homem e mulher, e tem mais não existe um cromossomo meio termo, só existe o masculino, e o feminino

No direito diz o seguinte: tudo que não tem uma proibição é considerado licito então o art. 266 diz que casamento entre legal entre homem e mulher, mas também não faz nenhuma objeção dizendo contra os casamentos homossexuais, então tudo que não tem uma vedação é considerado licito, por isso que, os evangélicos estão errados em jogar o artigo 266 como respaldo.

Minha Nota: Na Bíblia relata tudo lhes é permitido, mas nem tudo lhes convem, ora se está escrito entre homem e mulher, automaticamente está proibindo a união do terceiro sexo. O artigo 226 é claro a esse respeito, agora tem pastores que ficam em cima do muro, não tem posição e fica querendo jogar para cima dos irmãos que discordam da sua opinião.

A minha opinião como cristão é que não existisse casamento entre pessoas do mesmo sexo, minha opinião é essa, com isso não quero que minha opinião seja algo ditatorial, pois assim não vivemos em um país democrático, cuja tem todo tipo de pessoas e gostos e o livre arbítrio, de ter o direito de fazer de sua vida o que bem entender e este direito não poder ser negado.

Minha Nota: Lógico que o Brasil é um país democrático, mas o que os homossexuais querem fazer é inverter os valores de família, colocando os heteros como falidos e os homos como novo modelo a ser seguido, eles querem empurrar de goela abaixo que só eles tem razão, então inventaram essa palavrinha, homofobia.

Você diz que o STF passou por cima da constituição, correto, de certa forma foi de duas maneiras, O STF passou por cima de uma lei que está falha desde o começo, pois não incluiu os sodomitas, nem os homossexuais que são gentes da mesma forma que você e eu, uma lei que diz que todos nós somos iguais perante a lei, quer dizer existe um erro das duas partes, pois se a constituição de 1988 incluísse os homossexuais e complementasse o que diz o artigo 5º que todos são iguais perante a lei em direito e obrigações , este caso não teria tanta polêmica , pois seria algo que tinha equidade.

Minha Nota: O STF realmente passou por cima da constituição federal e para seu conhecimento, pastor a constituição é a mais completa já existente no Brasil, o que não caberia era o movimento LGBT tentar mudar a constituição com uma lei preconceituosa e sem escrúpulos, ridícula que dava maiores poderes aos homossexuais do que nós que somos heterossexuais.

Minha Resposta:

De o juiz Dr. Jerônimo não querer assinar a união do casamento entre homossexuais eu estou do lado dele, mas como disse anteriormente, que muitos eu acho que não entendeu, é que, um juiz usou uma constituição falha, e uma esfera que esta acima dele aprovou este veredito por entender essa falha da constituição 1988 não incluir os homo afetivos como iguais e que são queira você queira ou não.

Minha Nota: A Constituição pode ter suas falhas mas deve ser respeita por qualquer instancia, sendo do mais fraco ao mais forte, o STF deveria ter rejeitado a união homoafetiva e deveria dar suporte aos juízes que agissem dessa forma, mas o que aconteceu foi ao contrario, ele deu favorável a união e ainda está contra um juiz corajoso, que merece uma medalha de honra ao mérito, tem mais mesmo a decisão do supremo deve ser questionada, até por que somos um pais democrático.

O que o juiz poderia ter feito como eu falei e de dizer olha eu por ter a consciência em cristo e minha consciência não permitir que duas pessoas do mesmo sexo se casem, transfiro essa sanção a outra pessoa do qual poderá fazer essa união em minha consciência eu não farei, mas não, ele quis ser o super. herói, e disse eu veto e todo processo que vim nessa causa eu vou vetar ele não foi imparcial e sim ele quis aplicar um conceito religioso dele acima da imparcialidade que ele deveria ter como juiz. E de uma lei que não aplica o conceito de igualdade não incluindo os homo - afetivos tornado os desiguais.

Minha Nota: Se uma pessoa manda um processo para você julgar, e você tem poderes para fazer isso, por que não fazer? Como o Juiz de Goiânia, ele recebeu o contrato para ser julgado por ele, o que ele fez foi a obrigação dele como juiz, e agiu certo, se o Supremo errou, ele deve ser questionado da mesma forma.

Até agora não usei a bíblia, mas irei coloca-la agora vamos lá:

Levítico 18:22 - diz o seguinte não te deites com varão como se deita com mulher , é coisa abominável.

Romanos 01: 27 - diz o seguinte do mesmo modo, os homens também deixaram as relações naturais com a mulher e se inflamaram de paixões uns pelos outros cometendo atos indecentes, homens com homens, e receberam em si mesmos a punição merecida pelo seu erro.

Em 1 coríntios 06: 09 e 10 - não sabeis que os injustos não vão herdar o reino de deus ? Não vos enganeis. Nem os devassos, nem os idolatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas.

Nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os mentirosos, nem os roubadores, vão herdar o reino de Deus.

Então em todo o processo escrito na bíblia não apenas fala dos homo - afetivos, fala dos roubadores e quantos lideres de igreja digamos a maioria rouba em nome de deus, fala dos mentirosos quantos lideres de igreja é mentiroso eu diria a maioria que pregam falsos ensinos dizendo o que deus não disse, com a intenção de ganhar grana em cima de sua alma.

Outra coisa o fato dele misturar a bíblia com a constituição não tem nada haver , quando ele exerce o cargo de juiz , ele tem que ser imparcial, existe dentro de um País existe todo o tipo de pessoas, gays, homossexuais, heterossexuais, bissexuais, simpatizantes, homonascisante, feminascisante, entre outros, que têm todo o direito igualitário pela a constituição e que depende de um presidente para reger o país.

Vou colocar a constituição brasileira para você entender o que digo:

Artigo 5º da Constituição Federal

Art. 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

I - homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta Constituição;
II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei;
III - ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante;
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;
V - é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material, moral ou à imagem;
VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;
VII - é assegurada, nos termos da lei, a prestação de assistência religiosa nas entidades civis e militares de internação coletiva;
VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;
IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;

XLI - a lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais;
XLII - a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei;
LXVIII - conceder-se-á habeas-corpus sempre que alguém sofrer ou se achar ameaçado de sofrer violência ou coação em sua liberdade de locomoção, por ilegalidade ou abuso de poder;
LXIX - conceder-se-á mandado de segurança para proteger direito líquido e certo, não amparado por habeas-corpus ou habeas-data, quando o responsável pela ilegalidade ou abuso de poder for autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do Poder Público.

Quando o STF segundo o conceito de vocês tentou passar a constituição de 1988, que em minha opinião não foi, foi por que a elaboração no sentido factuoso da palavra, abrangia homem e mulher no art. 226 diz isso, mas que o homossexual não deixou de ser homem, só tem a condição pervertida de acordo com a condição que deus escolheu para o homem, mas isso não dar o direito que ele não tenha as mesmas obrigações e direito civil como cidadão brasileiro.

Minha Nota: E certo que não deixaram de ser homens, mas hoje em dia o que se vê até nas grandes mídias são tentativas descabeladas de falar que o homossexualismo é normal, que devemos aceitar isso numa boa, que deve se ensinar isso aos nossos filhos, dizendo que o homossexualismo é a melhor opção

Meu amado na minha parte do que você escreveu da resposta direcionada a mim você disse o seguinte : ele levou em consideração a constituição e também a bíblia por ser evangélico.

Ele está errado, pois, eu sou pastor também e se estivesse no lugar dele , não levaria a palavra de deus para afirmar minha posição não negando a sua eficácia nem nada disso , claro que a palavra de deus é a palavra correta, mas numa nação um juiz tem que ser imparcial até nessa questão , como já disse , num país laico existe diversidades de crenças e sexualidade , tem pessoas que nem acredita em Deus e é ateu , mas nem por isso deixa de ter seus direitos e garantias fundamentais pela a constituição brasileira como cidadão, somos pessoas diferentes e temos que aceitar as diferenças quando vivemos em sociedade , por isso temos o livre arbítrio, deus nos deixou a palavra , mas até o engano ele deixou o homem seguir , para que pelo seu livre arbítrio ele decidisse sobre qual o caminho a seguir, mesmo sendo mal ao seus olhos e não cabe a nós impor nada, nem colocar goela adentro algo, pois o que está acontecendo no mundo são os princípios de dores e também muita apostasia , mais isso o próprio messias disse que aconteceria, e nada podemos fazer contra isso, agora o fato de colocar goela adentro algo bíblico tirando o direito fundamental do cidadão brasileiro que é ser igual perante a lei em direitos e obrigação para afirmar algo bíblico , mesmo sendo homo afetivo , isso é uma injustiça para uma auto afirmação de uma palavra , e se deus estivesse para julgar este caso , ele diria eu não aceito tais práticas , isso é abominação aos meus olhos, mas ele não iria impor nada , ao contrário permitiria o erro para que depois o filho dele se arrependesse , do ato praticado, da mesma forma daquela do filho prodigo vou te lembrar a passagem :
Lucas 15: 11 ao 32
Um homem tinha dois filhos. O mais jovem disse ao pai: Pai, dá-me a parte da herança que me cabe’. E o pai dividiu os bens entre eles. Poucos dias depois, ajuntando todos os seus haveres, o filho mais jovem partiu para uma região longínqua e ali dissipou sua herança numa vida devassa. E gastou tudo. Sobreveio àquela região uma grande fome e ele começou a passar privações.


Foi, então, empregar-se com um dos homens daquela região, que o mandou para seus campos cuidar dos porcos. Ele queria matar a fome com as bolotas que os porcos comiam, mas ninguém lhe dava nada.

E caindo em si, disse: ‘Quantos empregados de meu pai têm pão com fartura, e eu aqui, morrendo de fome! Vou-me embora, procurar o meu pai e dizer-lhe: Pai pequei contra o Céu e contra ti; já não sou digno de ser chamado teu filho. Trata-me como um dos teus empregados’.
Partiu, então, e foi ao encontro de seu pai. Ele estava ainda ao longe, quando seu pai viu-o, encheu-se de compaixão, correu e lançou-se lhe ao pescoço, cobrindo-o de beijos. O filho, então, disse-lhe: ‘Pai, pequei contra o Céu e contra ti; já não sou digno de ser chamado teu filho’.

Mas o pai disse aos seus servos: ‘Ide depressa, trazei a melhor túnica e revesti-o com ela, ponde-lhe um anel no dedo e sandálias nos pés. Trazei o novilho cevado e matai-o; comamos e festejemos, pois este meu filho estava morto e tornou a viver; estava perdido e foi reencontrado!’ E começaram a festejar.

Seu filho mais velho estava no campo. Quando voltava, já perto de casa ouviu músicas e danças. Chamando um servo, perguntou-lhe o que estava acontecendo. Este lhe disse: ‘É teu irmão que voltou e teu pai matou o novilho cevado, porque o recuperou com saúde’. Então ele ficou com muita raiva e não queria entrar. Seu pai saiu para suplicar-lhe.

Ele, porém, respondeu a seu pai: ‘Há tantos anos que te sirvo, e jamais transgredi um só dos teus mandamentos, e nunca me deste um cabrito para festejar com meus amigos. Contudo, veio esse teu filho que devorou teus bens com prostitutas, e para ele mata o novilho cevado!’
Mas o pai lhe disse: ‘Filho, tu estás sempre comigo, e tudo o que é meu é teu. Mas era preciso que festejássemos e nos alegrássemos, pois esse teu irmão estava morto e tornou a viver; ele estava perdido e foi reencontrado!

Você disse somos evangélicos sim ok eu também sou temos o direito de protestar correto, aceito sua opinião devemos nos misturar com politica , claro que sim devemos, pois somos cidadão brasileiro e temos direito e obrigações nessa nação.

Minha Nota: Ele como Juiz deve cumprir suas obrigações e foi p que ele fez, ele deve sim levar a Biblia em consideração, ele foi imparcial, e tem mais o juiz anulou uma segunda união homossexual, o Juiz é representante de Deus assim como você afirma que é, outra questão é somos iguais perante a Lei? Creio que não, por que hoje pastor, muitas leis aprovadas nesse país protege mais os bandidos que os cidadãos brasileiros, principalmente os direitos humanos. E outra o que você me mostrou a historia do menino prodigo não tem nada a ver com essa ação de Goiânia, o Juiz está certo sim em agir dessa forma

Seria nada de inconstitucional o fato é que você mistura religião com lei, e não deve misturar, se o artigo 5º diz que todos são igual perante a lei, essa posição não é inconstitucional, existe sim um erro de não interpretar o homossexual como homem, e sim como algo fora desse contexto, ele não deixa de ser homem pela sua prática pervertida, o que acontece é que ele não tem as práticas correta biblicamente falando.

Minha Nota: Mas de onde vem as Leis?, o que as pessoas usam para fazer as leis, nem todos são iguais perante a Lei meu caro, os bandidos são iguais perante a Lei? não, pois eles tem mais direitos que nós.

Você disse que tem o direito de votar e ser votado, da mesma forma que o homossexual também têm este direito como cidadão brasileiro isso não é uma exclusividade do povo que se diz evangélico.

Minha Nota: Sim falei, como eles também tem esse direito, concordo, mas o fato deles ter o mesmo direito não quer dizer que tenham que ter mais direitos que nós, como era o caso do PLC 122/2006.

Por que Jesus disse não separe o joio do trigo, por que o joio pode tornar-se trigo e o trigo com seu orgulho e falsa concepção bíblica torna-se joio, se você considera o homossexual joio e se acha trigo por fazer parte de uma denominação ou templo, ou está em cristo dentro de sua concepção, cuidado para não se torna joio, pois nas escrituras diz o seguinte: nem todo aquele que me diz senhor meu senhor entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade do pai, e quando o homem coloca o engano acima da palavra ele não vive em cristo e sim em trevas, dar um exemplo prático para você.

Minha Nota: essa sua resposta serve direitinho para você, que se acha dono da verdade, mas no fundo, não tem base para defender suas idéias, justamente, o Juiz estava fazendo a vontade do pai, em não aceitar esse tipo de relacionamento, que vai de encontro com a Palavra de Dele (do Pai).

Igreja significa pessoas, mas o protestante surtado acha que é templos e coloca o templo acima da palavra e da concepção do nome igreja, e quem não fazer parte do templo não está em cristo.

Minha Nota; acho que você deve ter alguma coisa errada, por que se diz pastor, mas no meu ver o senhor não é, o senhor agride, machuca, ofende as pessoas, não sabe respeitar e ainda quer obrigar as pessoas a concordar contigo, Deus usa os loucos para confundir os sábios.

Ora se sei que igreja não é templo e digo que se sicrano não estiver em templo ele está desviado e não estará em cristo, então coloco igreja como principal fator de salvação, ou seja, acima da palavra, por que eu que sou a igreja não posso desviar de mim mesmo o que pode está acontecendo é o fato de eu não está em ajuntamento mas, isso não é uma condição para salvação pois a palavra diz quando dois ou mais estiver em meu nome eu estarei naquele local diz o próprio messias, duas pessoas ou mais pode ser em qualquer canto com o proposito de um bem comum ou seja a deus, não necessariamente um templo, qualquer coisa fora desse contexto é engano , se estou no engano não estou em deus , se não estou em deus , estou em trevas , então necessariamente não só o sodomitas ou homo afetivos pode ter a concepção de ida ao inferno, como também, o próprio cristão surtado com a religião e o falso ensino.

Minha Nota: Concordo, ainda falo mais, pessoas que se diz pastor deve ser consagrado, deve ter um curso de teologia, como já falei participo da Videira, do tempo e da Videira (Cristo) por que me considero um dos seus ramos, defendo a justiça, sou contra a injustiça, o que você afirma está correto, mas ao mesmo tempo suas ações em defender algo errado, te derruba completamente, mesmo com o melhor texto que você faça, não me convencerá, uma vez que sou a igreja, sou um membro do corpo de cristo e não posso concordar com opiniões que tentem denegrir a palavra de Deus.

Outra situação que o protestante surtado acha é que após a 2º vinda de deus, o povo eleito será levado e os excluídos irão para o inferno, por achar que a igreja templo físico e os que fazem parte dela serão salvo, e não tem nada haver com isso, tanto o trigo e o joio passará pela as mesmas tribulações, tanto você e eu heterossexuais como os homossexuais passará pela as mesmas tribulações, pois seguindo aquele conceito que expliquei antes o joio de hoje pode ser trigo e o trigo de hoje pode ser joio futuramente, aumentando a iniquidade como fala em Mateus 24:12 e por se multiplicar a iniquidade , o amor de muitos se esfriará, por isso jesus disse para deixar o joio próximo ao trigo , pois no verso 13 de Mateus explica , aquele porém que após a tribulação e a iniquidade e passando por ela perseverar até o fim será salvo, por isso que deus diz para deixar o joio perto do trigo por que pode haver uma mudança das duas partes e é na apostasia e após o advento da tribulação e iniquidade que com a perseverança é que vamos dizer quem é o verdadeiro joio e o verdadeiro trigo , sem isso apenas existe um fato falado e não vivido , deus quer a prova e o fato vivido que verá após a apostasia ou seja a tribulação.

Minha Nota: Sim falei, confirmo e afirmo, isso está na própria Biblia meu caro, que vai chegar o tempo da igreja ser arrebatada, os escolhidos irão, os que ficarem sofrerão tribulação, está escrito na segunda vinda de Cristo. Nesse ponto não posso concordar contigo ou estarei concordando com a interpretação errada da palavra de Deus

É abominação homossexualismo, mas não só homossexualismo, os mentirosos, os roubadores, os idolatras, os bêbados, os sodomitas, os devassos, os falsos profetas, os cães gulosos dos guias falsos (pastores), os ladrões de alma (mestre) e isso a igreja templo físico está cheio, mas o povo não quer enxergar por ter na testa sou evangélico ou sou saduceus, ou fariseus, os donos da lei, ou algo parecido simplesmente usando títulos, placas, e cargos eclesiásticos, mas travestido de cordeiro sendo lobos devoradores, sendo que o próprio diabo se transveste em anjo de luz e confundem os eleitos, que disfarçam dentro da religião que não provêm de deus seu coração mal e perverso, tem muitos desse dentro de templos e o povo para manter os disfarces de religião sem mácula mascara o fato.

Minha Nota; Concordo com essa afirmação, mas vendo-a, acho se encaixa direitinho no seu perfil, pois você é um lobo em pele de ovelha. Pois quem diz que me ama e odeia seu irmão e mentiroso.

A bíblia condena todas essas coisas , não só um único fato, e deus pediu misericórdia e não que o homem exercesse a lei sem amor e misericórdia pois nenhum é justificado por ela mas por fé que não vêm de vós e sim de cristo.

Minha Nota: Condena sim, mas condena o homossexualismo, alias, o homossexualismo não é normal, tentarem passarem que o homossexualismo é normal, em novelas, filmes, realite shows e as pessoas caem direitinho.

E salvação também não é por merecimento para que ninguém vos se glorie, dizendo senhor pequei pouco ou não bebi nem fumei e nem me prostituir, minha vida foi justa mereço ir para o céu, e ter a salvação, pois a sapiência do homem é a loucura de deus, para deus a sapiência do homem não serve de nada, então a salvação não é por merecimento e sim por graça, que é de graça, sem pagar nada, é um favor imerecido de deus para com homem, e o único procedimento que o homem tem que realizar para ser chamado filho de deus, como você mesmo disse que o pastor DRº Jerônimo é, mas não ele apenas é , mas todos que acredita em deus , ou por acaso você não lê as escrituras , para ser chamado filho de deus basta crer nele e acreditar que ele é o salvador de sua vida e que morreu na cruz por ti , veja tudo em (João 1:12 e 13), veja você mesmo : mas a todos quantos o receberam, aos que crêem em seu nome , deu-lhes o direito de serem feitos filho de deus , os quais não nasceram do sangue , nem pela vontade da carne , nem pela vontade de um homem, mas nasceram de deus, o que significa isso, significa dizer que para muito protestante surtado, doidos varridos, acha que nascer do sangue é fazer parte de um templo, confessar a homens que arrepende-se de seus pecados e posteriormente seguir doutrinas que não é de deus pois deus não habita em templos (hebreus 9:24) e seguir a regras dessa gaiola de loucos, e caso seguir todos os preceitos de Moises que é o velho testamento a qual muitos estão firmado sua fé e não em cristo que é a graça , e seguir a filosofia do vigário de cristo o pai-stor, seguindo a cartilha idealizada por ele , não por cristo será nascido novamente como Nicodemos , e quando vocês estendem que um individuo tem a separação da carne , é ser evangélico e religioso, coisa que também não é de deus, me diga qual a religião do altíssimo?

Minha Nota: Ora Pastor me admiro de você dizer isso, se fosse você refletia nessas palavras que você mesmo colocou, pois a mesma, foi direcionada a minha pessoa, só que foi para a pessoa errada, pois quem está fazendo tempestade em copo d’agua não sou eu e sim você, Deus não tinha religião, Cristo também não

Ele foi judeu quando adolescente e posteriormente desvinculou dos mesmos, pois a próxima vinda será quando os próprios judeus se arrepender e chamar a ele por socorro, outra questão , e que para ser discípulo verdadeiro de cristo o homem tem que agradar a cristo e não a homens , dizer olha aquele irmãozinho daquela redondeza, é de deus e todos amam ele , por que pensa e age feito vocês, segue a regra direcionada pelo pai-stor, e vive perfeito pela a aparência e não pelo o coração, então este homem é de deus na sua concepção e de muitos que vivem o mesmo engano, só que a escrituras diz totalmente o contrário, deus enxerga o coração do homem e não a aparência , segunda coisa é que , aquele que por pregar supostamente a palavra de deus pela a visão de outro enganado , pai-stor, ele torna-se bem quisto por aquele grupo de surtado(evangélicos tradicionais ), não por deus , leia bem devagar este trecho : pois as escrituras diz que quem agrada ao homem não agrada a deus , e quem agrada a deus não agrada ao homem, pois a maioria não será salvo muitos serão chamados mais bem poucos escolhidos e pessoas que vive dentro de um templo achando que deus está naquele local e coloca o templo físico como condição de salvação já vive o engano e não será salvo por falta de conhecimento das escrituras.

Minha Nota: essa sua resposta não merece comentário, pois é fraca e sem base

você disse no finalzinho da frase: a bíblia condena irmãos o envolvimento de homem com homem, mulher com mulher, quer dizer você e tantos outros evangélicos surtado vive por Regras sobre Regras , se não fosse isso você não diria tais coisas , ou seja você ainda vive pela lei de Moises, que dizia, aquele que pecar deve morrer, e era feita pra os judeus não para nós que somos gentios e éramos impuros para a lei, outra questão é que pela lei ou Regra sobre Regra onde os surtado querem seguir sem preceitos, como você e todos os outros é que aquele que seguisse 99% da lei e errasse em 1% erraria em todos e estaria sob maldição e como ninguém seguia 100% da lei , muitos foram justificado Pela fé e não por obras da lei.

Na lei de Moisés dizia olho por olho dente por dente, na graça diz o salvador se te pedires a túnica dê também a sua capa, la lei de Moises, diz que com ferro fere com ferro será ferido, na graça diz se te bater um lado da face dê também o outro, pela lei de Moisés diz que aquela alma que pecar também morrerá, pela graça diz se te obrigar a caminhar uma milha caminhe duas .

E hoje o povo segue a mesma porcaria dos religiosos que crucificaram cristo, fazendo as mesmas coisas e dizendo as mesmas palavras. (joão 9 : 28 , 32, 33 e 34)
O povo renegou a cristo e preferiu a Moisés como hoje faz a mesma coisa, dizendo: então, o insultaram e disseram: discípulo deles és tu. Nós somos discípulos de Moisés.
Desde que há mundo, jamais se ouviu que alguém tenha aberto os olhos a um cego de nascença, e retrucou alguns: se este homem não fosse de deus, nada poderia ter feito.

Mas eles responderam: tu és nascido todo em pecado e tem ousadia em nos ensinar? E o expulsaram

E Jesus disse (João 5: 45) não penseis que eu vos acusarei diante do pai. O vosso acusador é Moisés, em quem tendes firmado a vossa esperança.

(João 01: 17) – pois a lei foi dada por intermédio de Moisés, a graça e a verdade vieram por meio de Jesus cristo, você enxerga que regra sobre regra não provêm de cristo mais da lei, pois a graça é a misericórdia e o amor, não isso que está sendo pregado.
Você disse: Se vim uma questão para eu decidir, é logico que vou ter que dar minha opinião, não pode passar para outro decidir em meu lugar ai vou está sendo omisso e hipócrita.

Resposta disso: como disse, a lei foi mal interpretada, pois mesmo sendo homossexuais ele são considerados homens, só com atitude pervertida, não foi nada acima da constituição, o fato de não constituir família essa relação, pela consciência bíblica que família é homem e mulher não significa dizer que isso não absorva a lei dos homens e sim a lei de deus, e vivemos a lei dos homens, pois um juiz tem que ser imparcial neste sentido como já expliquei e não vou repetir novamente, ele tem que ser pluralista e não parcialista, você está colocando religião no meio de politica, deus, a palavra eu vivo pra mim e minha intimidade entre deus e mim, isso é algo individual, não imposicional, apelativo e restrito a uma gama de pessoas, o livre arbítrio, o direito civil respeitado, e direito e obrigações pela lei todos têm da mesma forma sem que isso seja invadido por uma questão dogmática, religiosa e fanática, por que até deus deixou o livre arbítrio para o homem, e a opção de aceita-lo ou não se ele disse isso quem é você para dizer o contrário.

Minha Nota: É mesmo, tem certeza, por que a constituição queira ou não é nossa carta magna, ela deve ser respeitada, e deve ser seguida, o que o Juiz de Goiânia fez foi exatamente isso, ele não agiu errado, quem agiu errado foi o STF, ele tem sim que mostrar sua cara, tem que fazer o que é reto e tem que fazer de acordo o que ele acredita, até mesmo de acordo com a Biblia que não tem nada de errado nisso.

E nessa questão não é omissão nem julgamento ele é juiz, está ali para decidir, mas veja a reportagem do fantástico e tire suas próprias conclusões ele não foi imparcial, ele disse sou religioso e isso é contra a constituição coisa que não é, outro fato da lei é que:

Art. 226. A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado.
§ 1º - O casamento é civil e gratuita a celebração.
§ 2º - O casamento religioso tem efeito civil, nos termos da lei.
§ 3º - Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher.

Como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento.
Analise: Casamento civil gratuito
Casamento religioso tem efeito civil
É reconhecida a união estável entre o homem e mulher para efeito de proteção do estado.

Minha Nota: Ora pastor ele foi um pastor de coragem e não ficou escondido dentro de quatro paredes, o que me parece que você está.

Primeira análise: todos são iguais perante a lei em direitos e obrigações (artigo 5º inciso 1).
A constituição disse todos, isso inclui os homo- afetivos e outras opções de raças e sexo.
Pois a lei regular para homem e mulher está correto é a condição normal para o homem perante a lei dos homens e perante a lei de deus correto sim.

Mas existe homo afetivos, bi- afetivos entre outros, que também faz parte da sociedade brasileira, e estão incluídos neste todos são iguais perante a lei, a lei diz também que ninguém será alvo de discriminação por sexo, raça, convicção politica, religiosa.

Para ser justa a lei não posso tirar o direito fundamental de um cidadão simplesmente pela a sua opção sexual, por a lei dizer que todos são iguais em direitos e obrigações, o fato de não concordar com a prática homossexual, não dar a liberdade e o direito de tirar o que é de direito do individuo, se tiro este direito, não há igualdade para que tenha uma democracia com todos os tipos de opiniões, que é permitido por lei salvas guardo o anonimato.

O fato de a união homo- afetiva não constituir filhos do próprio ventre, não quer dizer que não possa ser constituído família.

Ai você indaga como dois homens moralmente falando pode passar educação para uma criança se a própria condição dele é pervertida.
Resposta – numa união homo- afetiva pode existir família sim, existe adoção, e por existir adoção pode haver família, agora se a condição psíquica da criança vai ser boa ou não isso eu não posso afirmar que sim e que não, da mesma forma que uma união entre homem e mulher não existe também nenhuma garantia que os filhos que mesmo tendo sido originário do próprio ventre da mãe com o pai, vai ter uma condição saudável e os filhos irão ter uma condição psíquica boa ou ruim isso vai depender dos próprios indivíduos e a condição social do meio e a educação posta por ele à criança.

O que acontece é que os evangélicos surtados querem que a sociedade Brasileira tenha uma única posição e visão e teoria a deles, e isso é uma forma que nem conhecemos na nossa nação ou seja a forma ditatorial, e essa atitude do juiz mostrou até que ponto a esquizofrênica espiritual dos evangélicos que dizem ser discípulo de cristo , que na minha opinião medíocre não tem nada haver com cristo essas atitudes , querendo se achar a Raça eleita de deus, e os únicos frasco de perfume, e os únicos escolhidos de deus por merecimento e o evangelho genuíno de Deus , não tem nada haver com isso.

Você dizer o seguinte: Ele é um representante de Deus sim, tem mais quem deve está do lado do inimigo é o STF, e ele está sendo ético em sua decisão, não incendiou ódio coisa nenhuma.

RESPOSTA - você é um religioso surtado, doido varrido, representante de deus o juiz, que representante de deus coisa nenhuma, deus não iria impor nada, daria a opção do livre arbítrio, mesmo que não seja bom aos seus olhos, não ultrapassaria nenhuma esfera que tinha aprovado a decisão da união por uma mal intepretação do juiz sobre o conceito do art. 226, sem complementar com o art. 5º da própria constituição federal, e da própria má intepretação do art. 226, do conceito de homem e mulher, a condição de família é algo que tanto eu como você não pode responder, por que ninguém sabe o futuro e só deus, é claro que sua condição homo- afetiva aos olhos humanos é algo que tem o lado de ser mais tendenciosa a não dar certo para a condição da criança, mas isso não é uma generalização de toda família composta por homossexuais, se o mesmo tiver a dignidade de dizer ao filho que sua condição não é honesta para a condição do homem para com deus e a sociedade e direcionar a criação do filho para uma tendência heterossexual pode ser que dê certo, isso vai depender da consciência do próprio homo afetivo para com o mundo e a sociedade.

E não existe ética quando não existe equidade , na ética não existe ambiguidade, ele não foi ético nem aos preceitos cristão nem aos preceitos dos homens , e incendiou ódio sim, sua decisão por não ser imparcial, gerou polêmica ,ele poderia ser transferido para outro julgar e dizer a minha consciência em cristo não permite que eu julgue este caso por que se for julgar serei tendencioso a minha prática religiosa, e ara que isso não aconteça eu transfiro minha decisão de julgar, por que fere aos meus princípios dogmáticos, é a mesma coisa de um feedback em empresa , se um individuo, é líder de uma organização e tem uma desavença com um subordinado , ele não pode aplicar este feedback , por que se isso acontecer ele pode na maioria dos casos ser tendencioso a sua emoção e misturar o lado pessoal com o profissional da mesma forma neste caso do juiz .

O inimigo é o diabo e não o STF, pois a lei apenas foi cumprida de acordo com o artigo 5º, e o próprio 226 má interpretada, leia bem todo o texto que escrevi, e reflita, eu não defendo o homossexualismo ao contrário eu não aceito, mas também não aceito injustiça e isso foi uma injustiça que foi corrigida e a abominação virá queira você queira ou não está nas escrituras e nada podemos fazer, e para sermos justo a deus e minimizar o nosso sofrimento temos que ser justo até com os injustos, para que possamos ser filho do pai que está nos céus.

O que acontece é que os protestantes tradicionais os surtados, quiseram mudar tanto o percurso do evangelho que este texto que vou colocar é um fato realista do que é feito hoje.
É um texto de um amigo pastor que admiro, e que prega a verdadeira palavra de deus, e que como ele eu e muitos têm a responsabilidade de tirar os enganos dos falsos profetas da mente do povo, que está esquizofrenado pelo os falsos ensinos espirituais, talvez você ache ridículo pela a sua posição religiosa , ou você ache engraçado pela a realidade que é mostrada neste texto, onde mudaram o capitulo de João 15 e transformaram nisso que você irá lê preste atenção e Reflita.


Conclusão: toda essa sua resposta não tem fundamento nenhum, Deus usa os loucos para confundir os sábios, você gosta de denegrir a imagem de outros irmãos, você que diz que sou doido varrido, que escreveu que o evangelho de João não foi escrito por João, você que coloca palavras na boca dos irmãos, você que acredita que seu companheiro pastor não é represente de Deus, você que acha que a Bíblia e a Constituição não pode ser utilizadas em conjunto, você que acha que um Juiz não deve cumprir seu dever e passar para outro, estou congregando no templo da videira e daí, pois, eu sou a igreja, eu sou um dos ramos da videira (Cristo), conheço um pouco da Bíblia é verdade, mas o suficiente para debater com qualquer um.