quarta-feira, 28 de setembro de 2011

1.000 acessos, muito obrigado a todos

Quando comecei essa campanha contra o projeto 122/2006, achava que não ia ter muito alcance, agora sei que estava enganado, venho aqui agradecer a cada um dos mil espectadores que viram o http://www.mordacagay.blogspot.com, agradecer, pois sei que de alguma forma estou contribuindo para o combate a esse Projeto Ridículo, projeto este que quer tirar nossa liberdade, que quer nos empurrar de goela a baixo algo que não concordamos, uma lei que quer proibir as pessoas cristã de pregar a palavra, tudo isso, por causa de uma minoria que querem fazer um barulho ensurdecedor, tenho motivos para comemorar, por que mil pessoas puderão ver esse blog, e de alguma forma contribuíram para o sucesso do mesmo, venho parabeniza-los e agradecer mais uma vez pela escolha de ver esse blog, pessoas dos EUA, Russia, Brasil, Itália, algumas pessoas da comunidade europeia, é meus caros leitores, o blog virou internacional,estou sempre em busca de novidades, procuro fazer o melhor para transmitir a noticia com maior qualidade possível.

Fico feliz por essa conquista.

Obrigado de coração a todos os leitores que tem visto meu blog, com certeza irei procurar melhorar mais.

Um grande Abraço.

Rinaldo da Nóbrega
Blogueiro

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Constituição anti-“homofobia” para o Brasil: um sonho de Marta Suplicy e OAB

A senadora Marta Suplicy (PT-SP) elogiou a Proposta de Emenda Constitucional (PEC), elaborada pela Comissão Especial de Diversidade Sexual da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que quer ampliar privilégios a indivíduos viciados em práticas homossexuais.

O texto tem a pretensão de introduzir na Constituição todas as decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) que favoreceram a agenda gay, inclusive a garantia de união estável para duplas homossexuais, com direito à conversão em casamento e adoção de crianças.

De acordo com a agência de notícias do Senado, “a PEC tem como um de seus principais ponto a criminalização da homofobia e estabelece a pena de dois a cindo anos de reclusão para aqueles que praticarem atos de discriminação e preconceito em virtude da orientação sexual de alguém. A mesma punição se estende aos que incitarem o ódio ou pregarem [contra a] orientação sexual ou identidade de gênero”.

Com a aprovação da PEC, a própria Constituição do Brasil se transformará num PLC 122. Mas Suplicy reconhece que a tentativa de transformar a Constituição do Brasil numa constituição anti-“homofobia” certamente enfrentará resistência de “setores como o da igreja”.

A senadora acredita que, estrategicamente, será importante aprovar primeiro o PLC 122/2006, pois sua tramitação está mais avançada, tendo já sido aprovado sorrateiramente na Câmara dos Deputados e restando apenas a votação no Senado.

O segundo passo, na avaliação de Marta, é apresentar a PEC, que é uma matéria mais ampla e complexa. “A PEC é bem mais difícil de aprovar. Então, vamos começar com a homofobia e avaliar o momento adequado para fazer uma PEC com essa amplitude, que é realmente o sonho que nós gostaríamos para todo o País”, explicou a senadora à agência do Senado.

O Estatuto da Diversidade Sexual conta com 109 artigos, que alteram 132 dispositivos legais. O Estatuto criminaliza a homofobia, reconhece o direito à livre orientação sexual e iguala os direitos fundamentais entre heterossexuais e LGBTs.

Eis algumas dos “avanços” que o Estatuto da Diversidade Sexual propõe:
Legitimação da PEDOFILIA e outras anormalidades sexuais:

Título III, Art. 5º § 1º – É indevida a ingerência estatal, familiar ou social para coibir alguém de viver a plenitude de suas relações afetivas e sexuais.
Sob essa lei, a família nada poderá fazer para inibir um problema sexual nos filhos. A sociedade nada poderá fazer. E autoridades governamentais que ainda restarem com um mínimo de bom senso estarão igualmente impedidas de “interferir”.

Retirar o termo PAI E MÃE dos documentos:

Título VI, Art. 32 – Nos registros de nascimento e em todos os demais documentos identificatórios, tais como carteira de identidade, título de eleitor, passaporte, carteira de habilitação, não haverá menção às expressões “pai” e “mãe”, que devem ser substituídas por “filiação”.

Essa lei visa beneficiar diretamente os ajuntamentos homossexuais desfigurados tratados como família. Para que as crianças se acostumem com “papai e papai” ou “mamãe e mamãe”, é preciso eliminar da mente delas o normal: “papai e mamãe”.

Começar aos 14 ano os preparativos para a cirurgia de mudança de sexo aos 18 anos pode começar com hormônios sexuais para preparar o corpo):

Título VII, Art. 37 – Havendo indicação terapêutica por equipe médica e multidisciplinar de hormonoterapia e de procedimentos complementares não-cirúrgicos, a adequação à identidade de gênero poderá iniciar-se a partir dos 14 anos de idade.

Título VII, Art. 38 - As cirurgias de redesignação sexual podem ser realizadas somente a partir dos 18 anos de idade.Cirurgias de mudança de sexo nos hospitais particulares e no SUS:

Título VII, Art. 35 – É assegurado acesso aos procedimentos médicos, cirúrgicos e psicológicos destinados à adequação do sexo morfológico à identidade de gênero.

Parágrafo único – É garantida a realização dos procedimentos de hormonoterapia e transgenitalização particular ou pelo Sistema Único de Saúde – SUS.

Uso de banheiros e vestiários de acordo com a sua opção sexual do dia:

Título VII, Art. 45 – Em todos os espaços públicos e abertos ao público é assegurado o uso das dependências e instalações correspondentes à identidade de gênero.

Não é permitido deixar de ser homossexual com ajuda de profissionais nem por vontade própria:

Título VII, Art. 53 – É proibido o oferecimento de tratamento de reversão da orientação sexual ou identidade de gênero, bem como fazer promessas de cura.

O Kit Gay será desnecessário, pois será dever do professor sempre abordar a diversidade sexual e consequentemente estimular a prática:

Título X, Art. 60 – Os profissionais da educação têm o dever de abordar as questões de gênero e sexualidade sob a ótica da diversidade sexual, visando superar toda forma de discriminação, fazendo uso de material didático e metodologias que proponham a eliminação da homofobia e do preconceito.

Contos infantis que apresentem casais heterossexuais devem ser banidos se também não apresentarem duplas homossexuais travestidas de “casais:

Título X, Art. 61 – Os estabelecimentos de ensino devem adotar materiais didáticos que não reforcem a discriminação com base na orientação sexual ou identidade de gênero.

As escolas não podem incentivar a comemoração do Dia dos Pais e das Mães:

Título X, Art. 62 – Ao programarem atividades escolares referentes a datas comemorativas, as escolas devem atentar à multiplicidade de formações familiares, de modo a evitar qualquer constrangimento dos alunos filhos de famílias homoafetivas.

Cotas nos concursos públicos para homossexuais assim como já existem para negros no RJ, MS e PR e cotas em empresas privadas com já existe para deficientes físicos:

Título XI, Art. 73 – A administração pública assegurará igualdade de oportunidades no mercado de trabalho a travestis e transexuais, transgêneros e intersexuais, atentando ao princípio da proporcionalidade.

Parágrafo único – Serão criados mecanismos de incentivo a à adoção de medidas similares nas empresas e organizações privadas.Casos de pedofilia homossexual irão correr em segredo de justiça:

Título XIII, Art. 80 – As demandas que tenham por objeto os direitos decorrentes da orientação sexual ou identidade de gênero devem tramitar em segredo de justiça.

Censura a piadas sobre gays:

Título XIV, Art. 93 – Os meios de comunicação não podem fazer qualquer referência de caráter preconceituoso ou discriminatório em face da orientação sexual ou identidade de gênero.

“O Estatuto da Diversidade Sexual é um avanço. Isso nunca havia sido pensado em relação às questões LGBT”, reconheceu Marta Suplicy, classificando-o como de importância “inquestionável”.

O Estatuto defende que o Estado é obrigado a investir dinheiro público para homossexuais que querem caros procedimentos de reprodução assistida por meio do Sistema Único de Saúde (SUS) e também que o Estado é obrigado a criar delegacias especializadas para o atendimento de denúncias por preconceito sexual contra homossexuais, atendimento privado para exames durante o alistamento militar e assegura a visita íntima em presídios para homossexuais e lésbicas.

Com informações de Renato Tambellini e da agência Senado.
Fonte: www.juliosevero.com

Ativistas gays cortam conta de PayPal de Julio Severo, tradutor de LifeSiteNews e ativista pró-vida

Matthew Cullinan Hoffman

Clique aqui para assinar uma petição dirigida ao PayPal em protesto contra a perseguição aos cristãos pró-família

19 de setembro de 2011 (Notícias Pró-Família) — Sob pressão de ativistas homossexuais, o PayPal decidiu rejeitar serviço a Julio Severo, famoso ativista pró-vida e pró-família cristão do Brasil.

Além disso, pelo menos duas organizações cristãs visadas pelos mesmos ativistas permanecem sob investigação do PayPal e poderão também perder o uso do serviço.

Severo, escritor evangélico que também traduz para LifeSiteNews, mantém um blog muito influente em português que é lido e comentado por políticos do governo federal do Brasil. Ele é também o autor de dois livros, inclusive um sobre o movimento homossexual no Brasil. (Veja seu blog em português aqui e seu blog em inglês aqui.)
Em semanas recentes, a conta de PayPal de Severo se tornou alvo do grupo homossexual “All Out” (Todos Fora do Armário), que criou uma petição online para pressionar o PayPal a livrar-se de Severo e nove outros usuários do PayPal como fomentadores de “ódio” e “extremismo”. O site de Severo expressa amor aos homossexuais e uma preocupação com o fato de que a conduta homossexual é destrutiva para aqueles que dela participam.

Depois do lançamento da campanha, Severo e vários outros na lista foram contatados pelo PayPal, que pediu informações sobre as organizações deles e insinuou que eles não estão em conformidade com as políticas do PayPal.

Depois da resposta de Severo comentando que ele não é uma organização, apenas um indivíduo, o PayPal respondeu hoje declarando: “Apreciamos seu interesse no PayPal. Contudo, devido às restrições legais e regulatórias, a empresa PayPal Private Limited não pode processar pagamentos de doações para entidades de caridades e organizações sem fins lucrativos que não foram registradas; organizações/partidos políticos; instituições religiosas; levantadores de fundos para pessoas ou organizações, etc., em países sob sua jurisdição”.

“Essa não é uma decisão que fazemos com pouco caso, e lamentamos profundamente qualquer inconveniência ou frustração que essa questão possa lhe causar”, acrescenta o PayPal. “Por favor, compreenda que essa decisão é definitiva”.

O PayPal acrescentou que durante 180 dias não permitirá que Severo acesse nenhum dinheiro que restou em sua conta. Depois desse prazo, a empresa lhe dará informação de como recuperar o dinheiro.

Há anos os militantes homossexuais vêm tentando silenciar Severo, e a eliminação de sua conta no PayPal é o terceiro maior sucesso obtido na campanha deles.
Em 2009, Severo foi forçado a fugir do Brasil com sua família depois que o Ministério Público Federal começou a investigá-lo por criticar a conduta dos homossexuais durante a Parada Gay. No Brasil, há restrições para se criticar a conduta homossexual.

Os homossexuais também deram um jeito de remover o blog de Severo por um curto período de tempo em 2008, depois de se queixaram de seu conteúdo. No entanto, depois de uma indignação em massa de cristãos do Brasil, o blog dele foi restaurado.
“Estou muito preocupado, pois o PayPal se prostrou aos militantes gays e sua campanha de ódio para que eu fosse excluído do PayPal”, Severo disse para LifeSiteNews.

“Uso o PayPal para pagar serviços essenciais para mim e minha família. E estamos numa situação muito limitada, pois estamos longe do Brasil por causa de perseguição gay e governamental. Nossos recursos são limitados”, acrescentou ele. “E agora sob pressão de meus perseguidores, o PayPal está garantindo que minhas opções para receber doações sejam ainda mais limitadas e difíceis.

“Milhões de indivíduos usam o PayPal para receber dinheiro. Por que não posso receber também?” Severo pergunta e aponta que “não sou uma instituição beneficente. Sou apenas um cristão individual com esposa e quatro filhos pequenos”.

Peter LaBarbera, de Americanos pela Verdade acerca da Homossexualidade (Americans for Truth About Homosexuality [AFTAH: http://aftah.org]), que está também sob investigação do PayPal, disse que as ações do PayPal indicam uma “estação aberta de caça aos cristãos” por parte dos ativistas homossexuais.

“É pavoroso e até mesmo chocante que o PayPal tenha removido a conta do herói pró-família brasileiro Julio Severo, usando alguns pretextos burocráticos”, LaBarbera disse para LifeSiteNews. “Ao que tudo indica agora é estação aberta de caça aos cristãos no mundo empresarial”.

“Julio tem um blog muito eficaz — é por isso que ele se tornou alvo dos grupos homossexuais de pressão política. A Esquerda não consegue dar respostas para as ideias dele, de modo que estão mirando seus recursos financeiros. Ao eliminar a conta de Julio dias depois do lançamento da campanha de propaganda gay do All Out, o PayPal se une às fileiras das empresas anticristãs que já escolheram um dos lados da Guerra Cultural — contra os crentes fiéis”.

Informações de contato:

Para assinar uma petição contra a perseguição de cristãos pró-família visados pela campanha do PayPal, clique aqui.

Ligue para o PayPal nos EUA: 1-402-935-2050
Envie um e-mail ao PayPal clicando aqui e selecionando “Email Us”. Pessoas que não têm conta no PayPal podem selecionar a opção à direita e receberão um formulário para preencher.

Cobertura anterior LifeSiteNews:
* PayPal lança investigação contra grupos pró-família depois que homossexuais se queixam
* Homossexuais querem eliminar contas do PayPal de organizações pró-família
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Fonte: http://noticiasprofamilia.blogspot.com

Campanha de “ódio” online mira sites cristãos

Homossexuais que criticam perspectiva bíblica da família desencadeiam “investigação” do PayPal

Bob Unruh

© 2011 WND

Uma investigação formal de várias organizações cristãs foi lançada pelo PayPal, a enorme empresa de transferência de dinheiro, por causa de uma campanha online de “ódio” contra elas por parte de homossexuais, de acordo com um dos que se tornaram alvos.

Os avisos de investigação foram enviados para o blog Last Days Watchman de Julio Severo e Americans for Truth de Peter LaBarbera.

Ambos sites são assumidamente cristãos, e ambos defendem a perspectiva bíblica acerca da homossexualidade.

As exigências do PayPal ocorreram na forma de um questionário exigindo que os donos dos sites deem explicações sobre o botão do PayPal no site deles e “o propósito… de coletar essas doações”.

O PayPal, que retornou um pedido de WND em busca de comentários acerca da campanha de “ódio” contra as organizações cristãs, mas disse que não tinha uma declaração preparada, também queria saber como o PayPal seria usado como um meio para receber pagamentos e se a organização tinha condição “registrada” de isenção de impostos.

Severo explicou para o PayPal que seu ministério cristão, por meio de seus blogs em português, inglês, espanhol e alemão, tem como objetivo “informar as pessoas acerca de questões polêmicas, inclusive eutanásia, aborto, homossexualidade, etc”.

“Notei que sua mensagem veio a mim depois de uma campanha de ódio contra mim e outros ministérios cristãos”, ele disse ao PayPal, citando o site AllOut.org.
A campanha online critica “extremistas anti-LGBT” que estão usando o PayPal para levantar dinheiro para “sua causa perigosa”.

A campanha coloca como centro do alvo Severo e LaBarbera, bem como Abiding Truth Ministries, New Generation Ministries, Noua Dreapta da Romênia, Truth in Action Ministries, Dove World Outreach, Igreja Batista Palavra da Fé, Instituto de Pesquisa de Família e a Sociedade Americana para a Defesa da Família Tradicional.

AllOut alega que esses grupos promovem “ódio”.

Mas Severo insistiu em que exatamente o oposto é a verdade.

“Quero que vocês saibam que nós cristãos amamos os homossexuais, mas discordamos de seus estilos de vida imorais”, dele disse ao PayPal.

Uma resposta do PayPal para Severo comentou: “Apreciamos a informação que você nos enviou. Sua conta foi registrada de acordo com essa informação. Nós investigaremos sua conta e daremos uma resposta assim que for possível. Apreciamos muito a sua paciência nesse caso”.

Severo disse que AllOut está também em atividade no Facebook, Twitter e por meio de e-mails para pressionar o PayPal a censurar suas convicções religiosas.

“Diferentemente dos ativistas gays que recebem imensas verbas governamentais, eu não recebo nenhum dinheiro do governo”, disse Severo.

“Gasto muito tempo preparando e escrevendo artigos para postar em meus blogs. Meus blogs e suas mensagens são minhas contribuições voluntárias e sacrifício pessoal para ajudar a informar vocês. Ore contra as campanhas gays que têm como alvo isolar financeiramente a mim e minha família. Se eles tiverem êxito, nós como família… não teremos condições de sobreviver”.

Ele disse ao PayPal: “Ficarei aguardando sua resposta, e também uma resposta pública com relação à campanha de ódio que está me fazendo de alvo. Todas as acusações dessa campanha de ódio contra mim são falsas. Como cristão, nunca preguei nenhuma violência contra outras pessoas. Posso apresentar centenas de testemunhas que confirmarão o que estou dizendo”.

LifeSiteNews já criou uma petição online em apoio aos sites e ministérios cristãos que diz: “Protesto contra o ataque de organizações homossexuais contra os ativistas cristãos Julio Severo, Americans for Truth About Homosexuality (AFTAH) e Tradição, Família e Propriedade (TFP). Incentivo o PayPal a defender o direito de organizações pró-família de usar seu serviço e a rejeitar ataques contra a fé cristã e outras religiões que defendem a moralidade sexual e os valores da família”.

De acordo com LaBarbera, a questão é que os ativistas homossexuais não mais estão dispostos a meramente prosseguir seu próprio estilo de vida; eles agora estão exigindo que sejam totalmente silenciadas as pessoas que têm perspectivas bíblicas das quais eles discordam.

“Eles querem dominação ainda que isso signifique caluniar pessoas pró-família como ‘odiadoras’ e destruir nossas liberdades religiosas que tanto amamos”, disse ele.

Em reportagem anterior, WND mostrou quando Severo relatou que seu site estivera sob monitoração do Ministério de Segurança Nacional dos EUA.

WND também noticiou quando uma série similar de ataques foi produzida contra ministérios e grupos online que discutem o perigo do islamismo.

De acordo com as reportagens, o PayPal eliminou várias contas por causa de preocupações com mensagem desses sites expondo a verdade sobre o islamismo, então restaurou-os um curto tempo mais tarde.

Pamela Geller, ativista, escritora e blogueiro popular do Atlas Shrugs, que também ajudou a fundar a Iniciativa de Defesa da Liberdade e Detenham a Islamização dos Estados Unidos, relatou que recebeu cartas intimidatórias do PayPal que afirmavam que os sites “promovem ódio” e “intolerância racial”.

De acordo com Geller, o PayPal lhe enviou cartas explicando que os sites haviam violado as normas da empresa, que proíbem o uso do PayPal para itens que “promovem ódio, violência, intolerância racial ou exploração financeira de um crime”.

A fim de se submeter às normas, Geller relatou, ela foi obrigada a remover o PayPal como opção de pagamento de seus sites, bem como referências à empresa, seu logotipo e características de compra.

Mais tarde, ela relatou que um executivo da empresa PayPal telefonou e explicou que a decisão foi um erro e que os serviços financeiros para os sites dela podiam ser reiniciados.

WND também noticiou quando a organização Charitable Give Back Group, que no passado era conhecida como Rede de Valores Cristãos, disse que ativistas estavam fazendo uma campanha online para coletar assinaturas e assustar clientes por causa da mensagem cristã.

Versão em inglês deste artigo reproduzida no blog em inglês de Julio Severo:

Online ‘hate’ campaign targets Christian sites

Versão em inglês deste artigo reproduzida no blog inglês de Julio Severo:

Online ‘hate’ campaign targets Christian sites

Versão em espanhol deste artigo: Campaña de “odio” online apunta a sitios cristianos

Versão em alemão deste artigo: Online-‘Hass‘-Kampagne zielt auf christliche Webseiten

Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.comFonte: WND

PayPal lança investigação contra grupos pró-família depois que homossexuais se queixam

Matthew Cullinan Hoffman

16 de setembro de 2011 (Notícias Pró-Família) — O PayPal está conduzindo uma investigação contra várias organizações e pessoas pró-família que estão sendo alvo de uma campanha homossexual que acusa essas organizações de “ódio” e “extremismo”, conforme ficou sabendo LifeSiteNews.

A investigação lançada por PayPal está ocorrendo em resposta óbvia a uma campanha feita pelo grupo homossexual All Out (Todos Fora do Armário, cujo endereço é: http://allout.org/en/actions/paypal), que está pedindo que o PayPal elimine de seu serviço dez organizações, inclusive Julio Severo, que é tradutor de LifeSiteNews e blogueiro pró-família; a organização ativista católica Tradição, Família e Propriedade e Americanos pela Verdade acerca da Homossexualidade (Americans for Truth About Homosexuality, AFTAH), de Peter LaBarbera.

“Estamos lhe escrevendo com relação à sua conta no PayPal”, a empresa declara num dos e-mails, que foi enviado até o momento para pelo menos três das organizações na lista do All Out. O PayPal então afirma que a organização em questão é uma “empresa comercial” e precisa de “aprovação prévia” para usar o PayPal.

“O PayPal aprecia o fato de que você nos escolheu para aceitar pagamentos para sua empresa comercial. Após uma avaliação periódica, constatamos que sua conta vem se conduzindo como uma empresa comercial que exige aprovação prévia. O PayPal tem como política que algumas empresas comerciais se registrem para obter aprovação antes de utilizar nosso sistema ou desaprovar algumas empresas comerciais para impedi-las de usar o PayPal como um meio de receber pagamentos por alguns tipos de serviços. Por favor, veja a ‘Política de Uso Aceitável do PayPal’ sob ‘Acordos Legais” para ter mais informações”.

O PayPal então faz várias perguntas aos destinatários.

“Notamos que há um botão de doações em seu site que tem um link para a sua conta no PayPal. Pode nos dar uma explicação do propósito que você tem ao coletar essas doações?”

“Explique como o PayPal será usado como um meio de lhe dar pagamentos”.
“A sua organização já se registrou como organização de caridade, sem fins lucrativos e com isenção de impostos, diante do governo estadual e federal, ou diante de outro órgão regulador aplicável?”

Quando a agência noticiosa homossexual Pink News perguntou ao PayPal sobre a campanha do All Out e sobre o fato de que dinheiro no PayPal financia essas organizações, a empresa respondeu que “Embora não possamos comentar acerca de quaisquer contas específicas por causa da confidencialidade dos clientes, regularmente revemos as organizações e sites que usam nosso serviço, e paramos de trabalhar com aqueles que quebram nossa Política de Uso Aceitável. Nós também possibilitamos que indivíduos delatem quebras suspeitas dessa política em nosso site”.

Dois dos alvos da campanha do All Out, Julio Severo do blog Last Days Watchman e Peter LaBarbera da AFTAH (http://aftah.org), disseram que as organizações homossexuais acusam os outros de “bullying”, mas elas mesmas estão praticando isso.

“Human Rights Campaign (Campanha dos Direitos Humanos), uma das maiores organizações gays do mundo com sede em Washington, foi revelada num registro que rastreia sites como visitando meu blog em 23 de agosto de 2011. E agora, ativistas gays dos EUA querem que o PayPal cancele minha conta, efetivamente me impedindo de receber doações”, disse Severo.

“Tenho vivido longe do Brasil com esposa e quatro filhos e, diferente dos grupos gays, dependemos de doações. Os grupos gays recebem grandes verbas e financiamentos governamentais. E recebem enorme sustento financeiro internacional da ONU e de poderosas fundações. Não há nenhuma comparação entre eles e seus recursos de milhões de dólares e as doações que recebo”.

“Uso meus recursos para sustentar minha família. Não recebo nenhum dinheiro governamental para escrever textos cristãos. Se fazem uma campanha para eliminar doações dirigidas a mim, não terei condições de sustentar minha família. Isso não é assustador?”

LaBarbera comentou que “em aproximadamente 60 anos a homossexualidade passou por uma transformação, onde no passado era tabu e perversão e hoje é um movimento muito forte que castiga aqueles que discordam da conduta de mesmo sexo — principalmente cristãos. Essa campanha mais recente que quer fazer bullying para que o PayPal elimine de seus serviços a AFTAH e outras organizações pró-família ilustra perfeitamente a besteira da ‘tolerância gay’.

Cansados (ou incapazes) de debater de um modo civilizado com seus oponentes, os militantes homossexuais estão agora usando a força bruta na internet para oprimir e silenciar a voz judaico-cristã da sanidade sexual. Neste exato momento precisamos urgentemente que todos os que se opõem ao moderno fascismo homossexual façam contato com o PayPal e exortá-los a não se dobrar às exigências dos grupos gays de pressão política. Nosso próprio futuro como sociedade livre depende de que detenhamos essa nova tirania politicamente correta”, ele acrescentou.

Informações de contato:

Assine a petição dirigida ao PayPal para protestar contra a perseguição aos cristãos pró-família (http://profamilyfreedom.net)

Ligue para o PayPal nos EUA: 1-402-935-2050

Envie um e-mail ao PayPal clicando aqui e selecionando “Email Us”. Pessoas que não têm conta no PayPal podem selecionar a opção à direita e receberão um formulário para preencher.

Cobertura anterior LifeSiteNews:

Homossexuais querem eliminar contas do PayPal de organizações pró-família

Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Fonte: http://noticiasprofamilia.blogspot.com

domingo, 11 de setembro de 2011

Trabalhadores dos correios ingleses se recusam a entregar gravações da Bíblia por considerarem o conteúdo dos CDs como “ofensivo”

Trabalhadores dos correios se recusaram a entregar CDs com leituras da Bíblia após decidirem que o material era “ofensivo”.

Várias igrejas pagaram pela produção de gravação de CDs do Evangelho de Marcos em celebração aos 400 anos de aniversário da versão King James (a tradução em inglês mais lida nos EUA e em países de língua inglesa).

Eles deveriam entregar para todas as casas em Jersey (que é parte do arquipélago das Ilhas do Canal, no Canal da Mancha, e que é uma dependência da coroa britânica), mas os líderes das igrejas ficaram espantados quando foram informados de que os trabalhadores dos correios não entregariam os 45.000 CDs.


Controvérsia: autoridades dos correios disseram que ficaram preocupadas que o conteúdo gravado da Bíblia King James poderia ofender as pessoas.

O Reverendo Liz Hunter do Centro Metodista de Helier disse: “Inicialmente, os correios de Jersey pareceram bem receptivos sobre nos ajudar com a entrega dos CDs. Mas duas semanas depois alguém do departamento de marketing deles nos telefonou dizendo que eles não poderiam fazer a entrega pois poderia ser considerado ofensivo. Disseram que havia regras sobre o envio de material em certa quantidade na ilha e que gravações religiosas poderiam ofender as pessoas. Isso não é evangelho abertamente invasivo, era apenas uma boa idéia dar às todos um CD que eles poderiam escolher ouvir se quisessem”

Grupos de igrejas de toda a ilha se uniram para o projeto, com a meta de entregar 45.000 gravações do Evangelho de Marcos a todas as casas em Jersey.

O Reverendo Hunter acrescentou: “O impacto se dissipou de certa forma. Nós lançamos o esquema ‘Ligar’ na segunda passada e queríamos que cada casa tivesse seu CD ao mesmo tempo nessa semana. Agora nós dependemos de voluntários para fazer a entrega para cada casa, então isso provavelmente demorará quase todo o mês de setembro”.
Os correios de Jersey se desculparam pelo incidente, dizendo que a equipe interpretou mal as regras.

O Diretor Kevin Keen disse: “Entendo que um dos meus colegas disse que o material era ofensivo. Essa decisão foi feita com base nos nossos termos e condições, as quais declaram que eles têm o direito de recusar a distribuição de material que caia na categoria de ‘material promocional que possa causar ofensa’. Claramente isso foi interpretado de forma incorreta. Falei com a pessoa envolvida e escrevi a todos os meus colegas pedindo que viessem até mim se houvesse qualquer dúvida no futuro”.

Os CDs são agora entregues por voluntários (pelo menos enquanto ninguém proibir isso).

Traduzido por Eliseu P. L. J. (com acréscimos em negrito).
Artigo original: Postal workers refuse to deliver Bible recordings because the CDs are ‘offensive’
Fonte em português: www.juliosevero.com