terça-feira, 5 de junho de 2012

Pastor diz que governo deveria executar homossexuais

Julio Severo
Pr. Curtis Knapp
Curtis Knapp, pastor da Igreja Batista Nova Esperança, do estado do Kansas, EUA, fez uma pregação onde, indignado com o apoio que o presidente Barack Obama deu ao “casamento” gay, disse:
“Eles deveriam ser executados. É o que acontecia em Israel. É por isso que a homossexualidade não se expandia em Israel. A execução limita que outros sejam convertidos ao homossexualismo. Tende a desestimular as pessoas a sair do armário. Oh, então você está dizendo que devemos sair e começar a matá-los? Não, eu estou dizendo que o governo deveria. Eles não irão, mas deveriam”.
“Castigamos a pedofilia. Castigamos o incesto. Castigamos a poligamia e várias coisas. É só a homossexualidade que é excluída como uma isenção”.
Citando Levítico 20:13, Knapp declarou:
“Quando também um homem se deitar com outro homem, como com uma mulher, ambos fizeram abominação; certamente morrerão; o seu sangue cairá sobre eles”.
O pastor também disse:
“Você dirá: Oh, eu não posso acreditar, você é horrível. Você é um neandertal. É disso que você está chamando Deus? Ele é um neandertal? As Escrituras são a Sua Palavra ou não? Se é a Sua Palavra, Ele ordenou. É sua ideia, não a minha. E eu não me envergonho disso. Ele disse que os executará. Será que a igreja irá arrastá-los a morte? Não, eu não vou dizer isso. A igreja não tem esse poder, mas o governo tem. O governo deveria. Você tem uma ideia melhor? Uma ideia melhor do que a de Deus?”.
Apesar de tudo, ele frisou que os gays não deveriam temer suas palavras:
“Não creio que eu deveria levantar um dedo contra eles. Minha esperança é que eles se salvem, não que morram”.
O Pr. Curtis Knapp não é famoso. Mas suas declarações radicais foram suficientes para que os grupos homossexualistas e a grande mídia esquerdista lhe dessem holofotes. É óbvio que o exemplo periférico e totalmente isolado dele só serve para que as hostes do supremacismo gay acuem ainda mais a resistência evangélica às exigências gays, tachando-a maldosamente de ser cúmplice da opinião do Pr. Curtis.
O que não é um problema periférico e isolado é o número cada vez mais elevado de pastores tradicionais abraçando importantes pontos da agenda gay.
Muitas igrejas históricas americanas — como a luterana, presbiteriana e anglicana — já estão sucumbindo diante do “casamento” gay, inclusive ordenando pastores gays e lésbicas. A denominação batista e as igrejas pentecostais, carismáticas e neopentecostais estão resistindo firmes ao tsunami gay. A maioria deles, em sua oposição à agenda gay, não tem a postura radical do Pr. Curtis.

Pena de morte eterna

O que o Pr. Curtis deveria pregar é que todos os pecadores não arrependidos serão realmente condenados à morte: seu lugar, conforme revela a Bíblia, será com o diabo e seus anjos no castigo eterno.
A Bíblia deixa claro em 1 Coríntios 6:9-10 que todos os pecadores não arrependidos, inclusive os homossexuais, não herdarão o Reino de Deus. Eles herdarão o sofrimento eterno no inferno.
Para evitar o castigo eterno, o pecador tem a oportunidade de aceitar o sacrifício de Jesus na cruz, onde Ele morreu por nossos pecados.
No plano espiritual, a condenação é clara: Sem a aceitação desse sacrifício, a pena de morte eterna é inescapável.
No plano terreno, sob influência evangélica os Estados Unidos até hoje têm a pena de morte em seu Código Penal. Até serem derrubadas pelo Supremo Tribunal duas décadas atrás, as leis anti-sodomia, datando desde as origens da nação americana, nunca incluíram pena de morte para o praticante, a não ser em determinados casos de violência sexual homossexual contra meninos seguida de assassinato.
Tanto a pena de morte quanto as leis anti-sodomia eram frutos de uma saudável influência cristã majoritariamente calvinista na sociedade americana.
Essa influência, até onde eu saiba, nunca levou a uma onda de execuções em massa de homossexuais nos Estados Unidos. O exemplo do Pr. Curtis é pura exceção e está confinado ao campo das ideias — ideias rejeitadas pela vasta maioria dos cristãos.

Execução de homossexuais não é exceção na Arábia Saudita e outros países islâmicos

Em contraste, no mundo islâmico o radicalismo não é incomum. A execução de homossexuais não está confinada ao campo das ideias — amplamente aceitas entre multidões islâmicas —, e está longe de ser exceção na Arábia Saudita e outros países islâmicos.
Contudo, a mídia ocidental nem sonha em incomodá-los com o assunto de execução de gays e muito menos usá-los como exemplo de abundante “homofobia”. Afinal, a pior coisa é vê-los explodirem de fúria ou… de bombas.
Os patentes preconceitos da mídia ocidental são também visíveis em casos de homossexuais sádicos que matam e até canibalizam seus parceiros e jamais são usados como exemplos da perversidade que representa a conduta homossexual. Pelo contrário, a mídia ocidental, especialmente a brasileira, habitualmente omite a identidade homossexual do sádico, com a finalidade óbvia de proteger a imagem da homossexualidade. Afinal, se a homossexualidade é tão bonita quando as novelas e programas mostram, é necessário defender sua “honra”.
Esse privilégio também é estendido aos pastores. Se um prega a favor da homossexualidade, é imediatamente elevado aos holofotes, com o total acobertamento de seus problemas morais, ainda que seja um desconhecido.
Mas se um pastor prega contra, especialmente numa radicalismo totalmente excepcional, ganha os holofotes para servir de exemplo de uma maioria cristã que nunca apoiou tal radicalismo.
Isso não é golpe baixo? Mas quem disse que a mídia tem de respeitar regras e moralidade?
Eles só respeitam os islâmicos em seu abundante radicalismo antigay porque eles usam a força bruta contra os gays e contra qualquer um que se opuser à sua religião. Já os cristãos são alvo fácil. Em sua maioria esmagadora, eles não cometem violência contra gays e contra ninguém. Em sua revolta contra jornalistas que atacam e mentem, eles nunca fariam como os islâmicos: uma resposta convincente com vingança e bombas.
É por isso que é facílimo poupar os islâmicos, que pregam e agem radicalmente, e não poupar o Pr. Curtis, que só pregou radicalmente.
Provavelmente, o Pr. Curtis não mataria uma mosca. Mas os islâmicos matam e têm matado muito mais do que moscas, e em abundância. E ainda recebem em troca silêncio, até mesmo de multidões de supremacistas gays.
A grande mídia esquerdista usa abundantemente o exemplo isolado do Pr. Curtis para zombar de todos os cristãos que não favorecem a agenda gay, mas não tem coragem de usar os abundantes exemplos antigay do mundo islâmico para zombar dos islâmicos que não favorecem a agenda gay porque, nesse caso, estaria zombando do mundo islâmico inteiro.

Paranoia inglesa: Quando muçulmanos pregam morte aos homossexuais, a polícia prende os homossexuais, não os muçulmanos

Até mesmo em países com tradição cristã forte os muçulmanos gozam de regalias enquanto os cristãos estão sendo cada vez mais perseguidos por leis anti-discriminação. Peter Tatchell, um dos mais proeminentes promotores do homossexualismo na Inglaterra, advertiu contra a criminalização das opiniões cristãs. Tatchell, politicamente um libertário, escrevendo numa coluna no noticiário Pink News, a principal fonte homossexual de notícias da Inglaterra, se referiu ao caso em que Dale Mcalpine, um pregador cristão que prega nas ruas, foi preso por expressar sua opinião religiosa de que os atos homossexuais são pecado.
Tatchell comparou a prisão de Mcalpine com os discursos de extremistas islâmicos na Inglaterra que “defendem o assassinato de indivíduos gays e mulheres ‘não castas’” e estão “mais e mais jogando ódio e insultos nos judeus”. Tatchell relata que quando ele organizou um contraprotesto num comício de aproximadamente 6 mil extremistas islâmicos, a reação foi imediata: os muçulmanos ameaçaram de morte o grupo homossexual.
Em seguida, a polícia veio e prendeu — não os que ameaçaram os homossexuais. A polícia prendeu somente os homossexuais que perturbaram o comício islâmico!
Isto é, quando os cristãos pregam a Bíblia, a polícia prende os cristãos para atender aos ativistas gays. Mas quando os ativistas gays, num país com tradição cristã como a Inglaterra, protestam contra um comício de milhares de islâmicos que pedem a morte de homossexuais, quem vai preso são os homossexuais!
O que os cristãos deveriam fazer para ganhar da mídia ocidental o mesmo respeito que ganham os ativistas gays e os militantes islâmicos?
Com informações de The Blaze, LifeSiteNews e site homossexual A Capa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário