sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Jean Wyllys ofende o Congresso com fala sobre prostituição, reagem colegas


Nivaldo Souza - iG Brasília 


Não caiu bem a afirmação do deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) de que 60% de seus colegas utilizam serviços de prostituição e, por isso, apoiariam seu projeto de regulamentação das casas do ramo. "Esse comentário é deselegante. É uma ofensa como a afirmação do ex-presidente Lula, quando disse que havia 300 picaretas no Congresso. Se ele ( Wyllys ) diz que tem 60%, então que os identifique", rebateu Rubem Bueno, líder do PPS na Câmara.

Autor de um projeto para legalizar as casas de prostituição, Wyllys afirmou ontem ao iG que vê boas chances de aprovar a proposta justamente porque 60% de seus colegas no Congresso fazem uso de casas de prostituição.

O deputado Guilherme Campos, líder do PSD, considera a declaração "polêmica" e "sem fundamento". "Não tenho a capacidade de saber da vida particular de cada parlamentar para afirmar uma coisa dessa."

'Vai ter faculdade formando prostituta'
Já o líder do PR, Lincoln Portela, levou a declaração na brincadeira. "Eu faço parte dos 40% que não usam esses serviços", brincou. O deputado afirma ser contra o projeto de lei, embora respeite o colega Wyllys como "homem e parlamentar". "Ele tem todo o direito de pensar a favor ( da prostituição ) e eu contra. Com um projeto desses, não demora muito e vamos ter faculdade formando prostituta", diz Portela.

Ronaldo Caiado (DEM-GO) acredita que Wyllys "se perdeu no argumento" em defesa de seu projeto ao acusar parlamentares. "Se for assim, todo deputado vai defender o setor rural porque almoça e janta", diz, ressaltando ser favorável ao debate pela regulamentação.

O senador Álvaro Dias (PSDB-PR) também levou o comentário de Wyllys na brincadeira. "Eu não sabia que o Jean Wyllys era pesquisador nessa área. Como eu não tenho conhecimento aprofundado sobre esse tipo de pesquisa, digamos, acadêmica, é melhor nem comentar”, afirmou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário